Em Sarandi (PR), dia nacional de luta é marcado por manifestação pública

Detalhe do ato na cidade paranaense

Assim como em todo Brasil, os trabalhadores e estudantes que não cruzaram os braços frente aos ataques dos governos Dilma (PT), Beto Richa (PSDB) e Carlos de Paula (PDT), saíram às ruas para denunciar os cortes no orçamento Federal e estadual, assim como a política privatista do município de Sarandi.

O ato, que fez parte do Dia Nacional de Lutas, nesse dia 28 de abril, se iniciou em frente à prefeitura e foi organizado na cidade pelas entidades: CSP- Conlutas, Intersindical, ANEL, Grêmio Estudantil do Colégio Panorama, Movimento dos Trabalhadores por Moradia, Oposição APP-Sindicato e pelos partidos PSTU, PSOL e PCB.

Os manifestantes reivindicaram respostas da prefeitura sobre a pauta entregue no último ato realizado na cidade, que tinha em seu conteúdo: a aprovação do projeto de iniciativa popular que cobra do governo a reestatização do aterro sanitário doado à iniciativa privada pelo antigo prefeito Cido Spada (PT), o fim da taxa do lixo criada na cidade e do aumento absurdo do IPTU, maior infra-estrutura para as áreas sociais como saúde, educação e moradia.

Também denunciaram o Fórum intitulado Lixo e Cidadania que está sendo promovido na cidade e que legitima a entrega do aterro e suas cobranças abusivas. Além disso, denunciaram o eminente despejo de diversas famílias que De Paula quer realizar no município.

Após entregar novamente um documento à Prefeitura cobrando respostas, o ato seguiu para a Praça Central da cidade onde ocorria o tal Fórum para demonstrar ao governo local que este espaço não representa o conjunto da população sarandiense.

O Papel da Prefeitura
Como de costume, o prefeito mandou seus cargos de confiança se infiltrar na manifestação. O mesmo sujeito que compareceu nas últimas manifestações apenas para tumultuar, veio ao ato com uma faixa e nariz de palhaço na tentativa de desmoralizar os manifestantes. Contudo, estes responderam a altura dando uma bela vaia.

Ato Político
Por fim, para encerrar as atividades do Dia Nacional de Lutas na cidade, as entidades convocadoras se dirigiram para o Plenário da Câmara de Vereadores onde realizaram um debate sobre a conjuntura atual e a necessidade de luta dos trabalhadores e da juventude.

LEIA MAIS

  • 28 de abril: manifestações, passeatas, paralisações nas fábricas e travamento de avenidas marcam Dia de Mobilizações