Dom Cappio faz nova greve de fome

Dom Luiz Cappio
João Zinclar

Bispo diz que só põe fim à greve com o arquivamento do projeto de transposiçãoO bispo Dom Luiz Flávio Cappio, 60 anos, iniciou na manhã do dia 27 de novembro uma nova greve de fome contra a transposição do rio São Francisco. Há dois anos, o religioso fez um primeiro jejum que durou 11 dias na cidade de Cabrobó (PE). Desta vez, o bispo deu início ao protesto no município de Sobradinho (BA).

Dom Cappio afirma que está fazendo nova greve de fome porque o governo Lula “não cumpriu com o prometido”, ainda na época em que negociou o fim do primeiro protesto. “Ele [Lula] prometeu suspender o projeto e debater com a população, mas a resposta foi o início das obras, usando o Exército”, disse Dom Cappio.

Carta ao presidente
No mesmo instante do início da greve, representantes da Comissão Pastoral da Terra (CPT) anunciaram o envio de uma carta assinada por Dom Cappio a Lula. Na carta, o bispo critica o presidente pelo não-cumprimento do acordo passado. “O senhor não honrou nosso compromisso. Enganou a mim e a toda a sociedade brasileira”, disse. No documento, Dom Cappio ainda afirma que só terminará a greve de fome com a retirada do exército dos eixos Norte e Leste da transposição e o arquivamento definitivo do projeto.

Em junho passado, na época da ocupação do canteiro de obras da transposição em Cabrobó, Dom Cappio pediu aos cerca de 1.200 manifestantes que resistissem. “Mesmo que os inimigos venham armados com as armas da morte, vamos responder com as armas da vida”, disse em discurso. O bispo ainda afirmou que Lula se transformou na voz da elite e que agora está a serviço do capital internacional.

Agronegócio
O desvio das águas do Velho Chico não vai abastecer os sertanejos afetados pela seca, como afirma o projeto. Dom Cappio assegura que, com a transposição, Lula quer beneficiar e fortalecer o agronegócio exportador. O bispo defende a revitalização do rio São Francisco como uma saída para o problema da seca no sertão. “Forças interessadas no projeto usarão de todos os meios para desmoralizar nossa luta e confundir a opinião pública”, declarou. Cappio disse também que está disposto a manter o jejum por tempo indeterminado.