Demissão, repressão e desrespeito aos trabalhadores de Bauru

Como se não bastassem as privatizações e lucros exorbitantes dos banqueiros, nos últimos anos, o que ocasionou aumento das tarifas bancárias e inúmeras demissões, agora os trabalhadores e sindicalistas vêm sendo impedidos de resistir e de se manifestar contra este estado de coisas.

Nesta segunda feira, dia 15, quando os sindicalistas concentravam-se em frente ao Banespa, em resposta a mais uma demissão, foram reprimidos com gás pimenta e cassetetes e logo após foram presos pela polícia de Geraldo Alckmin, como se fossem bandidos, o que nos trouxe de volta os sombrios tempos da ditadura militar.
Isto só reforça o que o PSTU vem denunciando, ou seja, que a democracia é uma democracia de fachada, democracia que protege os ricos e reprime e prende os trabalhadores.

A categoria bancária sofreu inúmeros golpes durante os oito anos de governo de FHC e esta situação não se alterou com o governo LULA, que claramente governa para os banqueiros, com a cartilha ditada por Henrique Meirelles, ex-executivo do BankBoston.

No ano passado esta categoria, passando inclusive por cima da direção da CUT, fez a maior greve do setor em todos os tempos, arrancando um reajuste salarial e, através de muita luta em todo o país, colocando os banqueiros, os sindicalistas pelegos e o governo LULA na parede!

Temos a certeza de que esta luta vai continuar e que os trabalhadores não irão se intimidar com a truculência dos governos de plantão.

O PSTU reafirma o seu apoio aos bancários e a todo e qualquer trabalhador demitido e estará sempre ao lado, como na greve do ano passado, na luta contra o desemprego e contra as privatizações, como a da Nossa Caixa, a do DAE e outras que se anunciam.

Abaixo as demissões;
Abaixo a repressão;
Fora Meirelles do Banco Central;
Por um governo dos trabalhadores!