Cordel Serrano os direitos

Pra lutar pelo ensino
Precisa ter união.
Defendendo educação
Os pais, jovens, têm o tino
Que cantando o mesmo hino.
Com educador na frente
Um governador que mente.
O que diz é sempre engano
Quem coloca o povo em cano
Não pode ser presidente.

Estamos todos unidos
Levantando a bandeira
Da greve sempre guerreira
Em cordões bem protegidos
Acordando os oprimidos
Que não pode estar ausente
Dessa luta é fogo ardente
Do coração paulistano
Quem coloca o povo em cano
Não pode ser presidente.

A greve é aprovada
Por alunos, pais, amigos
Que enfrenta os inimigos
Se ergue contra a cambada
Fortalece a caminhada
Que numa força crescente
Se fazendo mais presente
Contra o Serra leviano
Quem coloca o povo em cano
Não pode ser presidente.

A greve é a união
De todas as forças vivas
Com energias ativas
Apresenta a solução
Para toda educação
Pois o papel de docente
É caminhar consciente
Contra Serra, o tirano
Quem coloca o povo em cano
Não pode ser presidente.

Não é greve eleitoral
É uma forma de luta
Invento de quem labuta
É o nosso tribunal
Que julga governo mal
Que foi muito intransigente
Não somos nenhum vidente
Mas Serra seu desumano
Quem coloca o povo em cano
Não pode ser presidente.

A greve tem pipocado
Pelo país tem afora
Revelado sem demora
O abandono do Estado
Ensino sucateado
Seja PT com a frente
PSDB demente
Governo anti-humano
Quem coloca o povo em cano
Não pode ser presidente.

O plano neoliberal
Trouxe o PDE de Lula
Que coisa ruim acumula
Na linha educacional
Migalha salarial
É um piso bem doente
Que enfraquece a mente
Que falta dentro o tutano
Quem coloca o povo em cano
Não pode ser presidente.

A grave foi a saída
De toda a educação
Que vem dando a lição
Pra toda gente sofrida
Mas que amor tem a vida.
Lutando muito valente
Contra toda a serpente
E todo mundo mundano
Quem coloca o povo em cano
Não pode ser presidente.

Ocupamos a Paulista
Que é hoje a grande sala
Por onde a voz embala
Fazendo ecoar na pista
A luta por mais conquista
Com um jeito irreverente
Mostrando está descontente
Com Serra que é insano
Quem coloca o povo em cano
Não pode ser presidente.

Precisa que todo o mundo
Mantenha a forte unidade
E tendo a capacidade
De não parar um segundo
Buscando bem lá no fundo
A força firme latente
Pra vencer o incompetente
Desse imperador “Serrano”
Quem coloca o povo em cano
Não pode ser presidente.

Para a nova jornada
Iremos ao esconderijo
Chegando lá eu exijo
Que a pauta apresentada
Que seja logo aprovada
Que passe a ser lei vigente
Pra sermos sobrevivente
Desse ninho palaciano
Quem coloca o povo em cano
Não pode ser presidente.