CORDEL: PT dez anos no poder


Em ato com Lula pelo FORA FHC. Hoje dedico esse cordel aos 10 anos do PT no poder.

Um dia sonhamos juntos
De termos um instrumento
Que libertasse o povo
Do jugo do sofrimento
Brotou o PT das lutas
Fruto de muitas disputas
Prometendo ser alento.

No Brasil a opressão
De uma árdua ditadura
Banhava as ruas de sangue
Com a prática da tortura
Impondo a ferro e fogo
Um discurso demagogo
E uma nojenta estrutura.

Ganhou rua o movimento
Exigiu-se democracia
Greves germinaram lutas
Contra toda tirania
No abaixo a ditadura
Sem medo de cara dura
Trilhou o fim da agonia.
 

O PT surgiu das lutas
E na primeira eleição
No ano de oitenta e dois
Fez a grande agitação
Dizendo: Vote no três
Que o resto é só burguês

Dê o fim à enganação.

O Lula nos seus discursos
Era muito taxativo
Dizia que a dívida externa
Deixava o país cativo
E que o PT no poder
Logo iria suspender
Esse roubo abusivo.
 

Falando que a Reforma
Agrária neste país
Numa simples canetada
Transformaria na raiz
A vida do camponês
Retirando a do burguês
Deixá-lo-ia feliz.
 

Dizendo que todo o mundo
Teria três refeições
Assegurada ao dia,
Que a fome de milhões
Do solo erradicaria
Num tempo de alegria
Para nossas multidões.
 

Que um emprego teria
Com um salário descente
Um teto para morar
Esse cobertor urgente
Ninguém abriria mão
Pois é dever da nação
Dar casa pra sua gente.
 

E a nossa educação
Seria prioridade
Professor remunerado
Com salário de verdade
Uma escola equipada
Sem a sala abarrotada,
Na busca da qualidade.
 

A saúde pública iria
Sair do coma profundo
Com a injeção de verbas
Garantia a todo o mundo
Excelência em hospital
Seria coisa normal
Para todo moribundo.
 

E no discurso petista
O combate à roubalheira
Era o seu carro-chefe
Pra pôr fim na bandalheira
Que a ética e a moral
Seriam o ponto central
Da nação alvissareira.

Montado nessas promessas
O PT chega ao poder
Depois de quatro eleições
Vimos o Lula vencer
Com empresário de vice
Não faria mais burrice
De novamente perder.

Assim se justificou
A sua coligação
De sair em uma chapa
Aliado a um patrão
Nisso rasgou o programa
E jogou todo na lama
Em prol da sua eleição.
 

Instalado no poder
O PT agora faz
Muita coisa que se nega
O que se pensava atrás
No jogo da aliança
O povo põe na balança
Perguntando se há paz?
 

O Lula no seu governo
Já no primeiro mandato
Pegou logo a Previdência
Depois a jogou no mato
Ficando o servidor
De FHC sofredor
De novo no desacato.
 

Também caiu num escândalo
Chamado de mensalão
O qual manchou o governo
Dentro da corrupção
De compra de deputado
Para votar ao seu lado
Comendo na sua mão.
 

Agora nos seus dez anos
O PT pra quem brilhou?
Responda-me quem trabalha?
Quem nesse país ganhou?
Foi empresário, banqueiro
Quem mais levou o dinheiro
Do seu suor que gastou.
 

Esse governo petista
Diz ter o maior prazer
De ser a sexta potência
Na escala do poder
Sendo um líder do mundo
Num crescimento profundo
A frente ele vai vencer.
 

Sendo a mola propulsora
Na repartição da renda
Dando o pleno emprego
Sem pôr o país à venda
Combatendo a pobreza
Levando comida à mesa
É parte de sua agenda.
 

É verdade que o bolo
Teve o seu crescimento
Só que quando foi partir
Alguém levou mais alento
O rico sempre mais rico
O povo só com um tico
Sem ter esse grande aumento.
 

Divulgaram aos quatro cantos
Que crescia a classe média
Que todo o mundo comprava
Isso não era comédia
Só que o endividamento
Deixou gente no tormento
Caindo em pura tragédia.
 

Em nosso país real,
Produz-se muita riqueza.
Só que tudo se acumula
Na mão da classe burguesa.
Brasil dos trabalhadores
Verdadeiros produtores
Leva a vida de dureza.
 

A tal privatização
Com Lula continuou
Jorrou leilões de petróleo
O BEM ele entregou
Rodovias,trilhos tortos
Dilma com aeroportos
Nessa farra mergulhou.
 

Dentro da universidade
A situação precária
Pra tubarão do ensino
Jorrou verba imaginária
Deu grana para as privadas
REUNI conto de fadas
Em nossa vida diária.
 

O IDH* mostrou
A posição do Brasil
Na rabeirinha da fila
É hoje esse seu perfil
Renda, saúde e escola
Perdeu o freio de mola
Passando por um funil.
 

Um por cento do Brasil
Vive a maior mordomia
São os primeiros da fila
No mundo da burguesia
E a força precarizada
Com sua longa jornada
Vivendo forte agonia.
 

Um operário, um pobre,
Um migrante nordestino.
Sonhar com algo melhor
Mais ousado e genuíno
Adormeceu na lembrança
De fazer uma mudança
Mas não mudou o destino.
 

Milhares acreditaram
Que a nossa realidade
Seria já transformada
Geraria felicidade
Um Brasil novo surgia
E o povo governaria
Do campo até a cidade.
 

De braços dado com ricos
O Lula fez sua escolha
Com capital financeiro
Fez crescer enorme bolha
Ao pobre: a bolsa família
Ao rico: assento em Brasília
Com toda grana da folha.
 

Falou Lula nunca antes
Na história deste país

O banqueiro, o empresário
Ganhou tanto e foi feliz.
Na crise lhe deu ajuda
Mas o povo ainda muda
Para ser o seu juiz.

Movimento social
Ao poder foi atrelado.
Transformaram-se em parede
Pra defender o Estado
Sindicatos governantes
Oprimem seus semelhantes
Pois estão do outro lado.
 

São dez anos de governo
Dessa Frente Popular
Prometeu mudar o mundo
Mas esqueceu de mudar.
Faltou política mais séria
Para matar a miséria
Que não para de matar.
 

O povo ainda tem crença
Dando popularidade
Acredita que um dia
Reinará a igualdade
Quando acordar desse sonho
Terá um susto medonho
Com a tal desigualdade.
 

A luta norteará
Apontará uma saída
Desmanchará confusões
Dará uma nova partida
Erguerá uma bandeira
Levantada a vida inteira
Sempre em defesa da vida.