Conlutas faz segundo encontro de negros e negras em março

Organizar o povo negro e o conjunto dos trabalhadores para a açãoO Encontro Nacional de Negros e Negras da Conlutas acontecerá em março de 2010. O evento vai se dar num momento muito importante para a comunidade negra brasileira. Primeiramente, pelo fato de estarmos diante de grandes desafios no que tange o combate ao racismo e ao capitalismo em nosso país.

Não temos nenhuma dúvida de que a crise que está se desenhando para o próximo período trará consequencias mais drásticas para os negros e negras, bem como para os trabalhadores e povos da África. Por isso, é importante, desde já, organizar a luta: essa é uma necessidade imperiosa.

A crise atingiu em cheio a população negra de todo o mundo em patamares como há muito tempo não se via. Isso levou a uma reação imediata destes setores. Exemplo foram as inúmeras greves ocorridas ao longo de 2009 em países onde não aconteciam mobilizações de massas há muito tempo. O continente africano foi parte disso. Foi assim na África do Sul, na Nigéria, em Moçambique, na Etiópia, no Sudão, em Angola, na Eritreia, entre outros.

Também os trabalhadores haitianos, quase todos negros, enfrentaram as tropas de ocupação da ONU. Durante o processo de luta, as tropas assassinaram trabalhadores e estudantes que ousaram sair às ruas da capital Porto Príncipe, reivindicando melhorias salariais.

No Brasil, não foi diferente. Os trabalhadores seguiram o caminho da luta contra a política dos governos e patrões, contra as demissões, redução de salários e férias temporárias que tinham como objetivo jogar sobre os ombros dos trabalhadores a responsabilidade pela crise.

Diante de todo este contexto, é possível constatar de maneira categórica a ausência das direções do conjunto do movimento negro brasileiro. Por cumprirem hoje o papel de aliados do governo Lula, omitiram-se diante dos ataques contra a classe trabalhadora e o conjunto do povo negro, historicamente alvo preferencial dos patrões nos momentos de crise do capitalismo.

É justamente neste contexto que o Quilombo Raça e Classe surge como alternativa para combater o racismo e o capitalismo, chamando o conjunto da comunidade negra a serrar fileiras sob a bandeira da luta direta, independente dos governos e patrões, na busca da construção do socialismo em nosso país e no mundo. O Quilombo levanta as bandeiras históricas do povo negro e dos trabalhadores.

É diante da constatação do papel governista das tradicionais organizações do movimento negro brasileiro que vai se realizar o segundo Encontro de Negros e Negras da Conlutas, para alavancar um processo de reorganização e mobilização e consolidar o novo movimento negro. O Quilombo Raça e Classe vai travar uma luta sem trégua contra a opressão e a exploração, até a vitoria final.