Com a ‘guerra cambial’ quem sofre são os trabalhadores e os povos

Correio Internacional – uma publicação LIT-QIA recente reunião dos governos integrantes do G-20 (os principais países imperialistas junto com os chamados “países emergentes”), realizada em Seul, Coréia do Sul, acabou em fracasso anunciado.

Amabilidades diplomáticas e poses sorridentes para fotos não puderam ocultar a impossibilidade de acordos que evitassem a “guerra cambial” ou “guerra comercial” iniciada pela política atual de Obama. Expressando com clareza este fracasso, o presidente chinês Hu Jintao declarou ironicamente: “Não nos pusemos de acordo nem sequer sobre o horário em que deviam começar as reuniões”.

A “guerra cambial” se iniciou, antes da reunião, com o anúncio do FED (Federal Reserve, o banco central dos EUA) da emissão de 600 bilhões de dólares, nos próximos 8 meses, para comprar bônus do Tesouro de seu próprio país e de sua política de desvalorizar a cotação internacional do dólar frente às outras moedas, uma medida que afetará os outros países imperialistas e também os chamados “países emergentes”, especialmente os exportadores.

Sobre a dinâmica da cotação do dólar, assinalemos que bastou o anúncio das medidas para que a moeda americana se desvalorizasse 10% nos mercados internacionais. E sua cotação continuará caindo à medida que o FED emitir esses 600 bilhões.

Exportar a crise
Para entender o significado desta política do governo Obama e seu profundo impacto na economia mundial, é necessário ver também o contexto em que ela se dá dentro dos EUA, caracterizado pela combinação de dois elementos.

O primeiro é que a economia norte-americana, apesar dos gigantescos pacotes de ajuda estatal aos bancos e às empresas, não levanta vôo: houve uma frágil recuperação no primeiro trimestre de 2010 (+3,7% do PIB), mas que já começou a refrear-se no segundo e no terceiro, com crescimento do PIB abaixo de 2%, cifra insuficiente sequer para evitar o aumento do desemprego. Importantes economistas burgueses, como Krugman e Roubini, falam da perspectiva de uma nova recessão ou, no melhor dos casos, de um “crescimento anêmico” até finais de 2011.

O segundo elemento é a derrota do governo Obama e do Partido Democrata nas recentes eleições legislativas, em que perderam sua maioria na Câmara dos Deputados. Todos os analistas concordam em que a causa central desta derrota foi a insatisfação popular com os rumos da economia do país e o persistente desemprego. Debilitado e obrigado a governar com um parlamento opositor a partir do próximo ano, Obama apelou ao Fed para aplicar políticas de injeção monetária e de desvalorização cambial em uma tentativa de sair do atoleiro.

Obama aproveita o caráter de imperialismo hegemônico e de emissor da moeda de aceitação internacional (o dólar) mantido pelos EUA, buscando insuflar oxigênio na economia do país: desvalorizar o dólar favorecerá as exportações e diminuirá as importações. Neste sentido, o presidente norte-americano declarou que seu objetivo é “duplicar as exportações nos próximos anos”.

Mas, ao fazê-lo, também “exporta” a crise para o resto do mundo: o imperialismo norte-americano lançou uma ofensiva “comercial” para resolver sua crise às custas dos outros imperialismos (como os europeus e do Japão), dos países semicoloniais e também de seus próprios trabalhadores.

Neste sentido, a política de emitir dólares e desvalorizar sua moeda torna ainda mais instável um sistema monetário internacional já muito frágil. E pode ter um efeito econômico e político altamente explosivo, no marco de uma crise econômica internacional que está longe de acabar.

É importante destacar que a política de Obama não tem como objetivo a “defesa dos interesses do povo norte-americano”, mas só os de sua burguesia. Seu governo já vinha desenvolvendo um forte ataque à classe operária norte-americano e seu nível de vida, que se expressa em um desemprego de 10%, na redução das plantas das empresas, na queda dos salários e benefícios (muitas empresas, como a GM, exigiram de seus trabalhadores a aceitação de uma redução salarial à metade) e em um aumento dos indicadores de pobreza em níveis que não eram vistos há décadas. Acrescentemos que a desvalorização o dólar pode também gerar um processo inflacionário interno.

Além disso, também aumentará a política já em andamento de cortes orçamentários em serviços públicos como saúde e educação, como expressa a seguinte notícia: “Os líderes da comissão presidencial bipartidária estabelecida por Barack Obama para reduzir o déficit fiscal propuseram uma série de medidas de austeridade tão draconianas que, se forem implementadas, poderiam levar a uma explosão social semelhante às que se viram recentemente em Paris e Londres” (Clarín, 11/11/2010).

Más notícias para a UE
As medidas do FED representam “más notícias” para as burguesias imperialistas européias, especialmente as dos países integrantes da “zona do euro”. Estas burguesias já tinham graves problemas: um crescimento econômico ainda mais anêmico do que o dos EUA; impossibilidade de ter uma política monetária flexível pela contradição de usar uma moeda comum (o euro), mas sem unificação dos países; uma crise fiscal em vários países como resultado da ajuda para evitar a quebra dos bancos; a necessidade de efetuar duríssimos ataques aos trabalhadores para sair dessa crise fiscal. Ao mesmo tempo, enfrentam fortes lutas em resposta, o que desgasta quase todos os seus governos. Uma situação que, de conjunto, põe em risco a própria existência do euro, resultado de uma construção de mais de 50 anos das burguesias européias.

Nesse marco, apostavam em que a desvalorização do euro frente ao dólar no ano passado lhes permitiria exportar mais e começar a sair do atoleiro. Especialmente no caso da Alemanha, a economia mais forte do continente e a segunda exportadora mundial, que, no início deste ano, teve uma melhora nas suas exportações industriais, permitindo um certo crescimento da economia do país e ajudando a empurrar um pouco o débil crescimento do resto da UE. Uma parte importante das exportações alemãs vai para os EUA.

Agora, com a desvalorização do dólar e o aumento da cotação do euro, essa porta começou a se fechar e suas consequências já se sentem: em setembro passado, a produção industrial alemã caiu 0,8%.

A desvalorização do dólar significa também que as burguesias européias deverão redobrar seus ataques contra seus trabalhadores, pela necessidade muito maior de diminuir os salários e endurecer mais ainda as condições trabalhistas para reduzir custos e manter a “competitividade” internacional frente aos EUA.

Mas estes ataques se darão em um momento em que os trabalhadores europeus já estão lutando, em vários países, contra os planos de ajuste e a redução dos orçamentos estatais aplicados por seus governos. O que abre a possibilidade de que essa luta aumente mais ainda.

É lógico, então, que o ministro de Economia alemão, Rainer Brüderle, expressasse sua “inquietação” ante as medidas do FED. Outro membro do governo de Ángela Merkel declarou que “vão criar o efeito de um tsunami sobre a economia mundial”. Enquanto o presidente do Eurogrupo (que reúne os ministros de finanças dos países que adotaram o euro) e primeiro-ministro de Luxemburgo, Jean-Claude Juncker, sustentou que uma desvalorização do dólar “representa grandes riscos”, acrescentando ser preciso “evitar comportamentos nacionais mais inspirados em reflexos egoístas que nas necessidades da comunidade internacional”.

As medidas do FED também afetarão o Japão, cuja economia, depois de anos de estancamento, primeiro, e queda no pior da atual crise, teve uma débil recuperação no final de 2009 e início de 2010, baseada nas exportações aos EUA. Cabe assinalar que o governo japonês foi o primeiro, antes mesmo dos EUA, a lançar medidas protecionistas por meio da desvalorização do iene.

Em outras palavras, as principais burguesias imperialistas se dividem sobre como enfrentar a crise e, no “salve-se quem puder”, a pior parte caberá às burguesias européias e japonesa.

Pressão sobre a China
Um aspecto importante da política dos EUA é a pressão sobre a China para que rompa o sistema de paridade fixa entre o dólar e o iuane, ferreamente controlada pelo governo chinês, e passe a um sistema de cotação flutuante do iuane, sujeito aos vaivéns do mercado.

Atualmente, com o sistema de paridade fixa, se o dólar se desvaloriza, o governo chinês desvaloriza o iuane na mesma proporção. Por isso o efeito no comércio entre ambos os países é nulo. Pelo contrário, se o iuane passasse a ter uma cotação livre, a grande acumulação de divisas realizada anualmente pela China com o saldo favorável de sua balança comercial levaria à uma alta do preço do iuane frente ao dólar. Isso encareceria o preço internacional de seus produtos industriais, algo que, além disso, se somaria à alta de custos internos como resultado dos aumentos salariais que estão conseguindo, com suas greves, os trabalhadores de importantes fábricas no país. De conjunto, o processo prejudicaria suas exportações, que já vêm sofrendo uma dinâmica negativa como efeito da crise econômica internacional. Por isso, até agora, o governo chinês se nega a quebrar a paridade cambial fixa.

Neste contexto, Obama acaba de realizar uma viagem à Índia. O principal objetivo da viagem era negociar a possibilidade de um rol geopolítico regional privilegiado para este país em detrimento do Paquistão, submerso cada vez mais na extensão da guerra do Afeganistão. Mas, ao mesmo tempo, realizou diversos acordos econômicos que representam uma ameaça velada de transferir os investimentos norte-americanos para a Índia se a China não modificar sua política cambial.

Outro Bretton Woods?
Frente à perspectiva de guerra cambial, suas graves consequências em um sistema monetário internacional frágil e instável e os altos riscos que implica para a economia e a política internacionais, vários setores burgueses começaram a falar da necessidade de um novo Bretton Woods.

Este acordo internacional, assinado em 1943, construiu, pela primeira vez na história, um sistema financeiro internacional, baseado no dólar como moeda mundial, com uma determinada paridade conversível entre o dólar e o ouro. Funcionou até 1971, quando foi quebrado unilateralmente pelo governo de Richard Nixon e foi uma das bases do chamado “boom econômico do pós-guerra”.

Por exemplo, em um artigo publicado pelo Financial Times, Robert Zoellick, presidente do Banco Mundial, propôs criar um novo sistema monetário mundial baseado em uma cesta de moedas (o dólar, o euro, o iene, a libra e o iuane chinês) que tome como referência o padrão ouro para as paridades entre essas moedas.

No entanto, esta proposta, aparentemente “racional” frente à atual “anarquia” monetária internacional, é hoje absolutamente inaplicável. O acordo de Bretton Woods foi impulsionado, em 1943, pela burguesia imperialista norte-americana, que aproveitou sua incontestável hegemonia econômico-político-militar no mundo para colocar esse sistema a serviço de seus interesses. Mas, agora, essa mesma burguesia está contra a reconstrução de um acordo desse tipo porque, assim, pode aproveitar as brechas de um sistema monetário mais “livre”. Com Estados Unidos e sua burguesia contra, não há nenhuma possibilidade de construir outro Bretton Woods ou algum acordo similar.

Um falso antiimperialismo
Por tudo isso, o governo chinês foi à reunião do G-20 defender seu sistema cambial e criticar a desvalorização do dólar. Recebeu o apoio de outros países emergentes, como o Brasil e a Argentina, cujas exportações e suas economias de conjunto também serão prejudicadas pela desvalorização do dólar. Os governos da UE, por um lado, criticaram a emissão de dólares e sua desvalorização, e também se somaram às pressões sobre a China para libertar a cotação do iuane.

Em alguns meios brasileiros e latino-americanos, a posição do governo Lula foi apresentada como “antiimperialista”. Nada mais falso. Os que os governos dos “países emergentes” pretendem é manter as migalhas da economia internacional que lhes permite seu atual rol na desigual divisão internacional do trabalho, ou seja, fortes exportadores de commodities.

Por isso, frente ao início de uma nova e brutal ofensiva do imperialismo, limitam-se a pedir “coordenação” e “consenso”, sem nenhum enfrentamento real e profundo com o imperialismo. Não é casual que Lula tenha declarado, em última instância, ter de “respeitar” a decisão do governo dos EUA (Folha de São Paulo, 12/11/2010).

Nos países semicoloniais como o Brasil, uma verdadeira política antiimperialista começaria por medidas muito simples, como o férreo controle do ingresso de capitais especulativos, a suspensão do pagamento das dívidas externa e interna e a ruptura com os organismos financeiros internacionais

Medidas que, um passo mais adiante, deveriam ser acompanhadas pelo estabelecimento do monopólio estatal do bancos e o comércio exterior para acabar com a fuga de divisas e a especulação financeira; a expropriação dos grandes monopólios e, assim, terminar com o saque dos recursos nacionais pelo imperialismo. E nenhuma dessas medidas está no programa de Lula nem de seus sócios.

Por uma saída operária da crise
A cúpula do G-20 acabou em um inevitável fracasso: nenhum acordo de “boa vontade” pode existir porque os EUA, o imperialismo hegemônico, está contra. A política impulsionada pelo governo Obama acrescentará mais lenha ao fogo da instabilidade econômica e política internacional, na sua busca de fazer avançar a economia norte-americana.

Mas, quaisquer que sejam as políticas adotadas pelos governos, as burguesias de todos os países seguirão tentando descarregar seu custo sobre os trabalhadores, por meio do desemprego, das reduções salariais e de direitos trabalhistas, da inflação e do aumento da pobreza.

A crise econômica e as políticas das burguesias e governos para sair dela exacerbam o fato de que, sob capitalismo, só podemos esperar mais instabilidade, crises e anarquia, e uma deterioração constante do nível de vida das massas, já que, para sobreviver, ameaça arrastar a humanidade à catástrofe. Por isso, é necessária uma profunda luta dos trabalhadores e dos povos.

Em primeiro lugar, lutar contra as conseqüências concretas da crise econômica e das políticas adotadas pelos governos burgueses, como a redução salarial, os cortes orçamentários em saúde e educação pública, os ataques aos imigrantes, etc.

Mas essas batalhas imediatas e imprescindíveis devem se dar no marco da luta por uma mudança de fundo, a revolução operária e socialista que termine com o capitalismo, um sistema cada vez mais irracional e inumano. Nessa perspectiva, a luta dos trabalhadores e da juventude da França e outros países nos mostram o caminho.

Tradução: Helton Ribeiro