Choque desocupa Aldeia do Maracanã

    O Batalhão de Choque da Polícia Militar invadiu, no dia 22 de março, a Aldeia Maracanã. A operação que contou com cerca de 200 policiais, carros blindados e diversas viaturas da PM desocupou o antigo Museu do Índio, retirando a força e de forma truculenta centenas de índios e ativistas dos movimentos sociais que estavam no local. Durante a remoção, sete pessoas foram detidas e dezenas ficaram feridas em decorrência da repressão policial.
     O mandado de desocupação expedido pela Justiça Federal venceu no último dia 20 e o despejo dos indígenas estava autorizado desde ontem, quando o governador Sérgio Cabral (PMDB) deu um ultimato, reafirmando o pedido pela imediata desocupação do terreno.
    Ainda na madrugada, a polícia cercou o prédio e impediu a entrada de novos ativistas na aldeia. A atuação truculenta do batalhão do Choque começou desde então. Qualquer aproximação do prédio era respondida com spray de pimenta e tiros de bala de borracha.
     
    De Cabral a Cabral…
    A desocupação da Aldeia do Maracanã é mais uma das políticas de remoção para atender às demandas das empreiteiras nas grandes obras para a Copa do Mundo. De acordo com o projeto, o Maracanã passará a pertencer à iniciativa privada, com leilão agendado para abril deste ano, que deverá montar uma estrutura para receber os megaeventos, como a construção de um estacionamento e um shopping.
     Para garantir o lucro dos empresários, portanto, é preciso destruir o prédio histórico que já abrigou o museu do Índio, uma escola pública considerada modelo e um complexo esportivo, utilizado por atletas e pela comunidade do bairro.
     

    Post author
    Publication Date