Centrais sindicais aprovam: “Dia 30 vamos parar o Brasil”

Vamos fazer do 30 de junho um grande dia de Greve Geral

As direções das centrais sindicais em reunião realizada nesta sexta, 23, em São Paulo, reafirmaram o dia 30 de junho sob o seguinte lema: “Vamos parar o Brasil contra a reforma trabalhista, em defesa dos direitos e da aposentadoria”.

Essa definição ocorre após uma forte pressão pela base, principalmente após a notícia de que a Força Sindical e a UGT teriam recuado da Greve Geral após uma reunião com o governo Temer. A veiculação da notícia gerou uma forte reação, depois da qual as duas centrais tiveram de reafirmar o chamado ao dia 30, decisão ratificada na reunião desta sexta.

Reunião das centrais nesta sexta. Foto CSP-Conlutas

Em assembleias realizadas por todo o país foi aprovado o dia 30 como dia de Greve Geral, a CSP-Conlutas entende que é possível e necessário fazer desse dia 30 um dia superior à Greve Geral que fizemos dia 28“, afirma Luiz Carlos Prates, o Mancha, que esteve na reunião representando a CSP-Conlutas.

Disposição por parte dos trabalhadores não falta, os informes que recebemos dos estados confirmam essa situação, então é necessário agora que a gente reforce esse chamado que é agora é oficial, não tem mais o que recuar ou vacilar“, reafirma. Além do dia 30, a reunião das centrais definiu um calendário de lutas até lá, que prevê a pressão sobre os parlamentares e atos nas regiões.

Vamos fazer reuniões, assembleias, nos bairros, locais de trabalho, vamos reforçar os comitês de luta nas regiões, e parar o Brasil no dia 30″, finaliza Mancha.

Leia abaixo a nota aprovada pela reunião das centrais

23 de junho de 2017, São Paulo, SP

Dia 30 de junho: Vamos parar o Brasil contra a reforma trabalhista, em defesa dos direitos e da aposentadoria

As centrais sindicais têm acompanhado cotidianamente os desdobramentos da crise econômica, política e social, bem como a mais ampla e profunda tentativa de retirada dos direitos dos trabalhadores, através da tramitação das reformas trabalhista e da Previdência no Congresso Nacional.

A ação unitária das centrais sindicais tem resultado em uma grande mobilização em todos os cantos do país, como vimos nos dias 8 de março, 15 de março, na Greve Geral de 28 de abril e no Ocupa Brasília em 24 de maio. Como resultado do amplo debate com a sociedade e das mobilizações, conseguimos frear a tramitação da reforma da Previdência e tivemos uma primeira vitória na reforma trabalhista, com a reprovação na CAS (Comissão de Assuntos Econômicos do Senado).

Mas ainda não enterramos essas duas reformas, e por esse motivo, continuamos em luta.

Nesse contexto, as centrais sindicais reunidas no dia de hoje conclamam todas as entidades de trabalhadores a construir o dia 30 de junho de 2017 e o seguinte calendário de luta:

27 de junho: audiência dos presidentes das centrais sindicais no Senado;

– 27 a 29 de junho: atividades nos aeroportos, nas bases dos senadores e no Senado Federal;

– 30 de junho: Vamos parar o Brasil contra a reforma trabalhista, em defesa dos direitos e da aposentadoria.

No dia da votação da reforma trabalhista no Senado: mobilização em Brasília

Estamos certos de que a unidade de ação é crucial na luta sindical sobretudo em momentos conturbados como o que atravessamos.

CGTB – Central Geral dos Trabalhadores do Brasil

CSB – Central dos Sindicatos Brasileiros

CSP Conlutas – Central Sindical e Popular

CTB – Central dos Trabalhadores e das Trabalhadoras do Brasil

CUT – Central Única dos Trabalhares

Força Sindical

Intersindical – Central da Classe Trabalhadora

NCST – Nova Central Sindical de Trabalhadores

UGT – União Geral dos Trabalhadores