Aumento da tarifa provoca protestos pelo país

Atos estão marcados para esta quinta em Aracaju, Recife e São PauloNo apagar das luzes de 2010, prefeitos de várias capitais do país resolveram aumentar as tarifas do transporte público. Em Salvador, Recife, Aracaju e São Paulo, entre outras cidades, a juventude e os trabalhadores têm protestado, buscando anular os aumentos e denunciando os lucros dos empresários.

No Recife, o aumento da passagem de ônibus foi de 8,66%. Na última terça-feira, 11, cerca de 300 estudantes ocuparam as ruas do centro de Recife contra o aumento. A juventude do PSTU engrossa o Comitê contra o aumento dos parlamentares e das tarifas de transportes públicos que reúne vários grupos políticos e entidades estudantis, como a ANEL-Livre, Coletivo Ato Público, Diretórios Acadêmicos da UFRPE, UFPE e UPE e alguns independentes.

Nesta quinta-feira (13) o Comitê está chamando um ato contra o reajuste das tarifas e pelo passe-livre para estudantes e trabalhadores desempregados. A concentração será na Praça do Diário às 14h. Além destas bandeiras eles também reivindicam o salário mínimo proposto pelo DIEESE e são contra o aumento de 62% no salário dos parlamentares. O PSTU estará presente nesta atividade e convoca todos para fortalecer mais esta luta!

Já em São Paulo a passagem de ônibus aumentou para R$ 3,00. O aumento é um benefício exclusivo dos empresários do setor, e penaliza a população trabalhadora da capital. Como resposta, Movimento Passe Livre de São Paulo está chamando um ato contra reajuste para o próximo dia 13 (quinta-feira), com concentração às 17h na frente do Teatro Municipal (próximo ao metrô Anhangabaú).

Em Aracaju, estudantes, partidos e centrais sindicais voltam às ruas contra o aumento da tarifa do transporte coletivo. O ato público está marcado para a próxima quinta-feira, 13, às 16h na praça General Valadão, no centro de Aracaju. A manifestação tem como principal reivindicação o congelamento do valor da tarifa em R$2,10. Empresários querem aumento para R$2,45.

“Não é possível que o salário mínimo aumente 5%, e a passagem aumente 16%. Isso é um imoral. Não vamos pagar nenhum centavo a mais para andar nessas latas velhas e superlotadas”, explica Zeca Oliveira. O estudante é membro da Executiva Estadual da Assembleia Nacional dos Estudantes Livre (Anel), uma das organizações que farão parte da manifestação.

Ele explica também que uma das reivindicações da entidade é a “municipalização do transporte público”. “A Prefeitura deve assumir a operação do serviço. Assim, tirando o lucro do meio do caminho, é possível oferecer melhores salários e condições de trabalho para os rodoviários, instaurar o passe-livre para estudantes e desempregados, e cobrar uma tarifa social, ou seja, bem mais barata do que é hoje”, defende.

A exigência da apresentação a planilha de custos das empresas de ônibus, com base na qual é calculado o reajuste, também faz parte da agenda das entidades que convocam o ato. “Esse documento deveria ser público, mas até hoje ninguém tem acesso”, destaca Stoessel Chagas, o Toeta, Diretor do Sindipetro.

Estarão na manifestação o PSTU, PSOL, Sindipetro, Sindicagese, Sintes, CSP Conlutas, Grêmio e DCE do Instituto Federal de Sergipe (IFS), Anel e Barricadas Abrem Caminhos.

Buzu – Os estudantes de Salvador vem realizando novos protestos, lembrando a Revolta do Buzu, que parou a cidade em 2003 e em anos seguintes. Eles vem chamando o movimento de ‘Exu Tranca Ruas – Revolta do Buzu 2011´. A Prefeitura da capital baiana autorizou o reajuste de 8,3%, e a passagem foi de R$ 2,30 para R$ 2,50, a mais cara do nordeste.
Desde o início de janeiro que os estudantes protestam em vários pontos da cidade, parando o trânsito em muitos momentos. O último ato ocorreu na sexta-feira, dia 07. A Associação Nacional dos Estudantes – Livre (Anel) tem participado dos protestos.

*Colaborou Roberto Aguiar, de Aracaju (SE)