Audiência sobre assassinatos de Sandra e Icauã será nesta quarta


Foto: PSTU-CE


No dia 17 de fevereiro de 2014, recebemos a triste noticia do assassinato de nossa companheira Sandra Fernandes e seu filho de dez anos, Icauã. Eles foram brutalmente assassinados a facadas pelo então namorado dela, Marco Aurélio, em Olinda (PE) na própria residência. Desde então, o agressor está preso. Nesta quarta-feira, 11, acontecerá a audiência de instrução e julgamento do caso, às 14h, no Fórum de Olinda.
 
Diante da dor, do luto e da violência cotidiana que deixa as mulheres trabalhadoras atemorizadas, vamos buscar forças na unidade das mulheres de nossa classe e transformar o luto em luta. No dia 11, vamos exigir justiça para nossa companheira e seu filho. O Movimento Mulheres em Luta (MML), o Sindicato Municipal dos Profissionais do Ensino da Rede Oficial do Recife (Simpere), a Secretaria de Mulheres do PSTU e demais movimentos e organizações de mulheres estarão na porta do Fórum de Olinda exigindo que o assassino seja julgado e condenado pelos crimes.
 
Sandra era professora da educação básica de Recife, dirigente do Simpere, construtora ativa do MML e militante do PSTU há dez anos. Nossa companheira foi mais uma vítima daquilo contra o que lutava: o machismo. Assim, sentimos na pele que nenhuma mulher está protegida no nosso país.
 
Investir 1% do PIB no combate à violência já!
É preciso que o governo invista muito mais que R$ 0,26 per capita para mudar os dados alarmantes de violência às mulheres do Brasil. Queremos mais orçamento para políticas públicas de combate à violência contra as mulheres. Queremos 1% do PIB para combater a violência às mulheres, aplicar e ampliar a Lei Maria da Penha.
 
Por isso, apoiamos a iniciativa do MML de construir um abaixo assinado exigindo mais orçamento, 1% do PIB para defender a vida das mulheres. Lutamos todos os dias para construir uma sociedade na qual as mulheres possam ser livres, uma sociedade socialista. Mas, enquanto houver uma mulher oprimida e explorada nesse país, seguiremos em luta. Por todas as mulheres trabalhadoras. Por Sandra e Icauã.