A reforma que interessa aos trabalhadores é outra!

A reforma de lula e do FMI precisa ser derrotada. Pois, a reforma que interessa aos trabalhadores é aquela que estenda e amplie direitos para todos e não esta Reforma do FMI, que deixa todos sem direitos.
Uma reforma em favor dos trabalhadores, teria que começar pela revogação da Reforma de FHC e de sua Emenda Constitucional 20/98.
Ou seja, os trabalhadores do INSS – com o apoio dos servidores públicos e de todos os explorados – devem exigir a volta da aposentadoria especial e proporcional para trabalho insalubre ou penoso; o fim do fator previdenciário e a volta da aposentadoria por tempo de serviço.
Devemos defender um sistema único nivelado por cima, que estenda para todos o que for de mais positivo nos dois sistemas.

. aumento expressivo (100%) do piso da aposentadoria e também do salário mínimo, rumo ao do dieese e um indexador que garanta seu poder de compra.
Aposentadoria integral para todos, por tempo de serviço, mantendo-se os 35 anos para a aposentadoria integral e 30 para a especial.
. Aposentadoria especial para os professores e também para o trabalho penoso ou insalubre
.Valorização dos servidores e do serviço público, com salários e condições de trabalho dignos para os funcionários, estímulo e condições para que se preste um serviço público de qualidade para o povo.
. Cobrança da dívida e punição rigorosa para os sonegadores e ladrões da Previdência. Cadeia e confisco dos bens de mega-empresários e banqueiros que devem à Previdência.

Taxar a movimentação financeira, o lucro e o patrimônio dos grandes empresários e acabar com as isenções fiscais para empresários e supostas “entidades filantrópicas”, como escolas e universidades privadas, que de filantrópicas não têm nada.
. Fim dos desvios de verbas da Seguridade para pagamento da dívida externa e interna.
. Suspensão do pagamento da dívida, auditoria e ruptura do acordo com o FMI
.Por uma Previdência por repartição, baseada no princípio da solidariedade entre todos os trabalhadores das diferentes gerações, de modo que toda a força de trabalho – empregada ou não – tenha acesso à Seguridade e à riqueza construida pelos trablhadores.

TRABALHADOR UNIDO, JAMAIS SERÁ VENCIDO!

Todos os trabalhadores devem se unir contra essa reforma do FMI. Essa é uma luta de todos. Os servidores públicos precisam contar com a solidariedade e apoio de toda classe trabalhadora na luta que vão travar em defesa de seus direitos.
Muitos podem pensar que essa luta não lhes diz respeito, que é problema do funcionalismo. Quem pensa assim está enganado. Se derrotarem o funcionalismo, ficará mais difícil estender direitos para os demais trabalhadores. Pior, vão atacar em seguida as conquistas dos demais trabalhadores.

No acordo com o FMI em que consta essa “Reforma”, consta também a exigência de reforma trabalhista: e o ministro do Trabalho, Jacques Wagner, declarou na semana que passou, que pode acabar com o 13º salário.

A classe trabalhadora, para derrotar o projeto de exploração do FMI e da ALCA e conquistar emprego, salário, terra e direitos, precisa estar unida. Devemos seguir o exemplo dos trabalhadores franceses.

E devemos todos exigir da CUT, que deixe de ser uma Central chapa branca, e convoque todos os trabalhadores à luta para derrotar a reforma do FMI.
A CUT, nesse momento, deveria estar exigindo que o governo retirasse a PEC-40/03 do Congresso, convocando assembléias em todos os sindicatos e propondo a preparação de uma Greve Geral para botar abaixo essa Reforma do FMI.

Todos os ativistas e lutadores desse país, devem entrar em campanha contra essa Reforma, realizando palestras nos seus locais de trabalho, estudo ou moradia; distribuindo os materiais de esclarecimento à população que os servidores estarão produzindo, se somando aos atos e manifestações e apoiando de forma ativa a luta dos servidores das 3 esferas.

Post author
Publication Date