1º de maio em Aracaju protesta contra alta dos alimentos

Passeata em Aracaju
Roberto Aguiar

Ato foi marcado por protestos contra o aumento do preço dos alimentos e a epidemia de dengue que assola SergipeO 1º de maio em Aracaju (SE) foi marcado por um ato organizado por Conlutas, Sindipetro AL/SE, Movimento Negro Unificado (MNU), Sindicagese, Fórum de Luta por Moradia Digna no Município de Laranjeiras, Sintes, Grupo Estudantil Resistência e Luta, Oposições Sindicais (Fisco Estadual, Saúde, Previdência e Servidores Federais), PSOL e PSTU.

Foram distribuídos mais de 20 mil exemplares do jornal da Conlutas que trata dos temas da luta no 1º de Maio. O aumento dos preços dos alimentos foi o principal assunto. Em Sergipe, o preço do feijão subiu de R$ 3 para R$ 6, a maior alta em todo o Brasil.

Outro tema explorado foi a epidemia de dengue que vive o Estado de Sergipe, comprovando o caos em que se encontra a saúde pública e o descaso do governo de Marcelo Deda (PT) e do prefeito de Aracaju, Edivaldo Nogueira (PCdoB). Sergipe só perde para o Rio de Janeiro em número de casos da doença e de mortes. A transposição do rio São Francisco também foi denunciada e repudiada.

Em passeata, os participantes percorreram as ruas do conjunto Beira Mar, onde foi feita a denúncia contra a Petrobras que está reduzindo os postos de trabalho no Pólo Atalaia, que é uma área de risco. O encerramento aconteceu na ocupação Malvina.