14J: Greve Geral tem grande adesão em todo o país. É hora de preparar os próximos passos

Paralisações, protestos e cortes de estradas marcam esse 14 de junho pelo Brasil

O dia de Greve Geral convocado pelas 10 centrais para este 14 de junho teve grande repercussão em todo o país. Levantamento do Armazém Memória e Comissão Justiça e Paz de São Paulo monitorou a adesão de 380 cidades no país. Já cálculo da CUT estima que 45 milhões de trabalhadores tenham parado parcial ou totalmente neste dia. Foi registrado ainda paralisação e atos em todos os estados e no Distrito Federal. Das 27 capitais, 19 tiveram o sistema de ônibus afetado.

Na capital paulista, os metroviários fizeram greve mesmo com determinação arbitrária da Justiça contra a paralisação. Além dos trabalhadores dos transportes, metalúrgicos cruzaram os braços e realizaram paralisações totais ou parciais, como em São José dos Campos e na região do ABC paulista. Petroleiros pararam 10 de 12 refinarias da Petrobrás. Trabalhadores da Educação de todo o país também pararam, além dos bancários, trabalhadores do campo, servidores públicos das três esferas, Construção Civil, entre outras categorias.

Veja como foi a manhã deste dia 14

Ato em Belo Horizonte

Após as paralisações nas fábricas, escolas, universidades e locais de trabalho, seguidas de protestos e fechamento de rodovias na parte da manhã, à tarde ocorreram grandes manifestações nas regiões. Mega atos ocorreram em capitais como Belo Horizonte, Recife, Porto Alegre e Rio de Janeiro.

Essa reforma é indigna e não passará, assim como a greve geral derrotou a reforma do Temer, essa greve geral dá pontapé inicial para derrotar a reforma de Bolsonaro, Mourão e esse Congresso de picaretas“, afirmou Atnágoras Lopes, da Secretaria Executiva Nacional da CSP-Conlutas, durante manifestação realizada no final do dia em São Paulo. O dirigente alertou ainda que “não há nada o que negociar nessa reforma, ninguém está autorizado a negociar as aposentadorias dos trabalhadores“. Atnágoras se refere às notícias divulgadas pela imprensa de dirigentes de centrais como a UGT e Força Sindical que sinalizam disposição em negociar pontos da reforma no Congresso Nacional, rifando a aposentadoria dos trabalhadores.

Manifestação em Porto Alegre na noite desta sexta
Relatório de Samuel Moreira mantém ataques. Foto Ag Câmara

O relatório do deputado Samuel Moreira (PSDB-SP) apresentado nesta quinta, 13, na Comissão Especial da reforma da Previdência da Câmara retira alguns pontos da proposta original de reforma, como a mudança do BPC (Benefício de Prestação Continuada) e da aposentadoria rural, mas mantém o grosso dos ataques às aposentadorias. Estão lá, por exemplo, a idade mínima de 65 anos, o aumento do tempo de contribuição para 20 anos, além dos 40 anos de contribuição para a aposentadoria integral, e a redução dos benefícios. É uma reforma parecida a que Temer tentou aprovar em 2017. Ou seja, continua sendo um profundo ataque às aposentadorias dos trabalhadores. Reduz R$ 1,1 trilhão do projeto original de Paulo Guedes para R$ 900 bilhões, que serão retirados do bolso dos trabalhadores para os banqueiros.

Manifestação no MASP, em SP

Intensificar a luta, ocupar Brasília e parar de novo o país
Após esse vitorioso dia de greve e mobilizações, é hora de preparar a continuidade dessa luta. “É muito importante discutir os próximos passos, temos que aumentar a pressão não só sobre o governo Bolsonaro, mas também sobre o Congresso Nacional“, afirma o Presidente Nacional do PSTU, Zé Maria. Ele denuncia o papel cumprido pelos governadores, inclusive os da oposição, como os do PT e PCdoB, que trabalham pela aprovação da reforma no Congresso, e chama a que os trabalhadores intensifiquem, no próximo período, a mobilização nos estados e regiões. “Vamos aproveitar o recesso do Congresso e fazer manifestação na base de cada parlamentar“, defende.

É hora de fortalecer o processo mobilização em cada sindicato, em cada estado, cada categoria, para que possamos organizar uma nova ocupação de Brasília, e parar de novo o Brasil, com ainda mais força“, finaliza.

Assista ao resumo final deste dia 14