Zé Maria: A importância estratégica das manifestações deste 16 de agosto

    93

    Nesse dia 16 de agosto aconteceram manifestações em praticamente todas as capitais do país. Foram atos políticos convocados pelas centrais sindicais para protestar contra o desemprego e contra as ameaças à aposentadoria e aos direitos trabalhistas.

    A importância deste dia não está no tamanho em si destas manifestações – que movimentaram fundamentalmente dirigentes, delegados sindicais e ativistas de vanguarda. As exceções, que moveram massa, foram as assembleias de metalúrgicos realizadas em São José dos Campos, em São Paulo e a movimentação na construção civil em Belém.

    O que se deve destacar, fundamentalmente, dos acontecimentos desse dia 16 é a unidade de ação construída, envolvendo todas as centrais sindicais, para lutar em defesa de direitos dos trabalhadores e contra o desemprego.

    Desde o aprofundamento da crise do governo petista, em meados do ano passado, isso não acontecia. As manifestações convocadas pela CUT no período eram para defender o governo petista, e não os direitos dos trabalhadores. O mesmo tem ocorrido nestes atos convocados pela Frente Povo Sem Medo e pela Frente Brasil Popular.

    É verdade que a CUT resistiu. Setores da central negaram-se a participar das manifestações, como em Brasília, Paraíba, Pará, etc. Mas a maioria da central teve de se dobrar ao apelo da unidade para defender os direitos dos trabalhadores que estão sendo atacados pelo governo.

    A constituição desta unidade para a luta tem enorme importância num momento em que o governo Temer prepara uma proposta de reforma da Previdência e de mudança na legislação trabalhista – por exigência dos banqueiros e grandes empresários – que implicarão se aprovadas, em ataques profundos à aposentadoria e aos direitos trabalhistas no país.

    Não há como enfrentar, de forma eficaz, um ataque dessa envergadura sem uma grande mobilização nacional que, assim, reúna forças para derrotar o governo neste seu propósito. Da mesma forma, não há como enfrentar o desemprego, defender efetivamente medidas que gerem emprego (como a redução da jornada de trabalho sem redução salarial), a não ser dando a esta luta uma dimensão política e nacional.

    Nas duas situações, a Greve Geral se apresenta como uma necessidade dos trabalhadores brasileiros hoje. Para defender seus direito à aposentadoria, seus direitos trabalhistas e para lutar contra o desemprego.

    É nesta perspectiva que devemos enxergar a unidade e as manifestações que ocorreram no dia 16: um primeiro passo rumo a uma grande mobilização nacional que desemboque numa greve geral contra o desemprego e em defesa da aposentadoria e dos direitos dos trabalhadores brasileiros.

    Sabemos que a direção das grandes centrais sindicais, frente à pressão do governo e dos empresários, tendem a ceder e negociar. Se isso ocorrer, caberá aos que tem compromisso com os trabalhadores levar adiante a luta. Mas essa vai ser nossa segunda batalha.

    Agora, é fortalecer o processo de unidade e mobilização, e exigir da direção das grandes centrais os passos seguintes, rumo à construção da greve geral para derrotar o governo Temer e preservar nossos direitos e o emprego dos trabalhadores.

    Este é o desafio.

    Post author