Um jornal operário, revolucionário e socialista

1354
Militante divulga o Opinião Socialista entre operários da Construção Civil de Fortaleza (CE)

Em junho de 1996, nascia o Opinião Socialista, novo jornal do PSTU

Primeiro número do Opinião Socialista

O Opinião Socialista, completou 21 anos de existência. E lá se vão 538 edições que atravessam diferentes momentos da história não tão recente do país. O Opinião é parte de uma imprensa operária, de esquerda, que se contrapõe à grande imprensa dos patrões.

Durante esses anos, o Opinião sempre foi ligado à luta de classes. Acompanhou momentos decisivos, como a luta contra as privatizações do governo FHC. Quando Lula assumiu advertiu que, mantendo a política econômica do governo anterior, nada mudaria. Durante os 13 anos de governos do PT, foi uma das poucas vozes que se declarou oposição de esquerda.

Opinião Socialista na porta da GM em São José dos Campos
Opinião denuncia ataques de FHC

Essa longa história do Opinião Socialista se deve à reafirmação constante de seu caráter leninista, ou seja, do jornal como órgão central para o partido, que tenha tanto a função de organizador coletivo como de propagandista e agitador político. Isso submetido a uma estratégia: a construção de um partido revolucionário e da revolução socialista.

É por isso que o jornal do PSTU se mantém ativo enquanto várias organizações que, até pouco tempo atrás, reivindicavam uma estratégia socialista, simplesmente abandonam seus jornais. Abandonam, na verdade, qualquer perspectiva de mudança radical da sociedade para investir, no mais das vezes, numa estratégia meramente eleitoral.

Além disso, o Opinião quer ser o jornal da classe operária. Por isso, não é imparcial. Temos um lado, o da classe trabalhadora, dos operários, camponeses e do povo pobre. Essa é a proposta do Opinião Socialista. Estamos do lado do povo trabalhador.

Opinião Socialista no início do mandato de Lula

O Jornal Nacional, as grandes revistas e diários são os panfletos dos ricos. Mostramos o que você não vê no Jornal Nacional nem nos jornalões dos patrões. Divulgamos as lutas dos trabalhadores. Explicamos como os patrões e o governo Temer querem acabar com sua aposentadoria e direitos trabalhistas. Nas páginas do jornal você também encontra dicas de como organizar a luta e a resistência. Além disso, o jornal faz questão de trazer em suas páginas um pouco da história do movimento operária, suas lutas e revoluções.

O Opinião pode ser encontrado nas fábricas, nos canteiros de obras, nas ocupações, no campo, nas periferias do país, nas praças públicas e em todo lugar onde o povo trabalhador luta e resiste. Opinião Socialista, um jornal operário, revolucionário e socialista!

Os bolcheviques e o jornal

Durante a Revolução Russa, os bolcheviques chegaram a publicar vários jornais diários. O mais famoso deles foi o Pravda, editado por Lenin. O objetivo dos bolcheviques sempre foi disputar a consciência dos operários, ajudá-los a superar seus erros e ilusões pra disputarem o poder.

Em seu livro Que Fazer?, de 1902, Lenin formulou as principais ideias a respeito do jornal do partido revolucionário. Seu objetivo era a luta implacável contra as tendências sindicalistas e reformistas que se expressavam em vários círculos social-democratas da época (os chamados economicistas). Para Lenin, era essencial a criação de um órgão central de propaganda, agitação e organização em todo o país. Funcionando como um verdadeiro intelectual coletivo, o jornal do partido criaria as condições para uma prática política verdadeiramente revolucionária, superando o mero sindicalismo. “Sem este órgão de imprensa, o trabalho local seguirá sendo um trabalho ‘artesanal’ estreito. A formação do partido, se não se organiza um jornal determinado, que represente acertadamente a este partido, se reduzirá em grau considerável a simples palavras”, diz Lenin.

ACESSE edições antigas do Opinião Socialista aqui.