Repúdio ao assassinato de Rodrigo e liberdade imediata a todos os detidos

1068

 

O traiçoeiro assalto executado por Cartes, Lugo e Llano provocou uma rebelião justificada de milhares de pessoas, em sua maioria jovens, numa contundente oposição à emenda constitucional aprovada em menos de 30 minutos e que, no aumento da indignação, levou-as a colocar fogo no Congresso.

A rebelião teve como origem não apenas a aprovação da emenda, mas uma repressão desproporcional ocorrida nos primeiros conflitos da tarde. As forças repressivas, posteriormente, saíram como cães raivosos caçando manifestantes e, num ato de cunho fascista, irromperam na sede do Partido Liberal Radical Autêntico e assassinaram covardemente Rodrigo Quintana com oito tiros.

Condenamos com todas as nossas forças esse crime ditatorial e exigimos punição para os culpados. Prisão do responsável material e dos responsáveis morais pelo assassinato do jovem.

Também exigimos a libertação imediata de todos os manifestantes detidos, que foram, todos e todas sem exceção, brutalmente espancados.

Repudiamos com todas as nossas forças as posturas cínicas, hipócritas e de justificativa da repressão adotadas pelo Partido Colorado e pela Frente Guasú. A Frente está tentando limpar a sua cara da vergonha histórica que significa sua posição de cúmplice de Horacio Cartes.

Convocamos a continuidade da justa rebelião popular, porque a luta contra o ataque e o atropelo continua, considerando que tanto Cartes como Lugo continuarão insistindo em concretizar a emenda fraudulenta.

Instamos as centrais sindicais, as organizações camponesas e do movimento popular a se posicionarem explicitamente contra os atropelos. Não há lugar para uma posição “desta água eu não bebo”, com uma falsa pose ultraesquerdista, ou para a passividade que somente favorece o governo e seus cúmplices de turno.

Que a rebelião de 31 de março não se apague! Abaixo a emenda aprovada por este assalto! Fora Cartes e os Barões do “Usem e Abusem” [1]!

Viva a luta do povo trabalhador!
Viva a juventude!

Por Comitê Executivo Nacional do Partido de los Trabajadores, seção da LIT-QI no Paraguai

NOTA:
1.
Referência à frase “Usem e abusem do Paraguai”, utilizada pelo presidente Horacio Cartes em discurso a empresários brasileiros em 2014.

Tradução: Raquel Polla