Curitiba: Escola sem partido é escola com mordaça

Neste dia 15 de agosto, durante a primeira discussão do projeto Escola Sem Partido na Câmara Municipal de Curitiba, tivemos um importante ato que reuniu estudantes, professores e demais trabalhadores, contra esse projeto nefasto que quer censurar a atividade docente e tolher o movimento estudantil.

O MBL (Movimento Brasil Livre) apareceu para defender o Escola sem Partido. Vindo dos defensores de Temer e Eduardo Cunha, já era de se esperar. Não por acaso, portanto, estudantes e professores se enfrentaram politicamente com o MBL, em defesa da democracia nas escolas.

Merece nosso mais amplo repúdio o assédio e a agressão que os integrantes do MBL praticaram contra estudantes. O caso mais alarmante é que, num dos países que mais se mata mulheres por machismo, tenhamos visto o assédio sexual por parte de um dos dirigentes do MBL, que passou a mão no corpo de estudantes secundaristas mulheres.

Vamos seguir na luta contra o projeto Escola Sem Partido, o MBL e essas práticas machistas. Parabéns aos estudantes e trabalhadores que marcaram presença!

NÃO ao Escola Sem Partido!
NÃO às reformas de Temer e do Congresso Nacional!
Fora Greca, Beto Richa, Temer e todos eles!