Todos aos atos do 1º de abril! Vamos botar pra fora todos eles!

107
Metalúrgicos durante protesto em São José dos Campos (SP)
Sindmetal/SJC

Chega de mentiras do PT, PMDB, e PSDB

Neste momento em que o PT não representa mais os trabalhadores, e que nem a oposição de direita é alternativa, temos pela frente um desafio: construir um grande dia nacional de lutas no próximo 1º de abril. O protesto está sendo convocado pelo Espaço Unidade de Ação, do qual faz parte a CSP-Conlutas, entre outras entidades.

Nesta data, haverá protestos em todo o país. Serão atos de rua, bloqueio de rodovias, passeatas, atrasos de entrada em fábricas e em obras, entre muitas outras atividades. Além disso, muitas categorias que estão na luta, como professores, estudantes e metalúrgicos, vão dar seu recado nas ruas.

No 1° de abril, acontecerão protestos independentes dos atos da oposição de direita, como foi o do dia 13, e dos atos que pedem “fica Dilma”, como será o ato do dia 18 chamado pela CUT e pelo MST.

Nesta data, vamos dar um basta nas mentiras do PT, do PMDB e do PSDB. Será a hora de dizer a verdade e entoar: “Fora todos eles! Fora Dilma, Temer, Aécio, Cunha e Renan!”

É preciso e necessário avançar na construção de uma greve geral em nosso país que barre os ataques dos governos e dos patrões e os efeitos da crise contra os trabalhadores. Os ricos que paguem pela crise!

Um chamado ao PSOL e MTST
Não podemos apoiar este governo como têm feito a CUT, o MST e a UNE, que chamam uma manifestação  “Fica Dilma” e em apoio a Lula no dia 18 de março. É preciso construir uma alternativa dos trabalhadores para lutar contra o PT, o PMDB e o PSDB.

Infelizmente, não é assim que pensam o MTST e a maioria da direção do PSOL. O MTST chegou a participar do ato de desagravo a Lula, realizado na quadra dos bancários no dia 5 de março. Até agora, o movimento não deixou claro o que vai fazer no dia 18. Contudo, assim como o PSOL, disseram que vão às ruas no dia 31 de março. Esse ato também é chamado pela CUT e o MST e sua “Frente Brasil Popular”. E, apesar de levantar bandeiras como “contra a reforma da Previdência” ou “contra o ajuste”, essa atividade será mesmo um ato político em defesa do governo Dilma e de Lula. As bandeiras “contra o ajuste” são apenas cortina de fumaça para um protesto que tem como conteúdo a defesa do governo. O que fará a direção do PSOL e do MTST? Vai para a rua defender o governo do PT?

A classe trabalhadora precisa tomar em suas mãos a tarefa de botar essa corja toda para fora e derrotar também o ajuste fiscal. Por isso, a manifestação do dia 1° de abril é um passo importante para que os trabalhadores e a juventude possam construir a sua alternativa de luta ao governo Dilma (PT) e ao PSDB. O PSOL e o MTST deveriam se somar a essa luta, e não participar dos atos em defesa de Lula ou do governo Dilma. Precisamos juntar forças na construção de um campo independente, um campo dos trabalhadores, sem patrões e sem PT e PSDB. Precisamos ir para as lutas junto com o Espaço Unidade de Ação para construir novas ferramentas de luta. Essa é a saída que os trabalhadores precisam.

SAIBA MAIS
Como você pode participar
A classe trabalhadora, a juventude e a maioria do povo estão sofrendo os efeitos da política dos governos, do Congresso e da oposição burguesa chefiada pelo PSDB. Todos eles jogam nas nossas costas os custos da crise econômica. Apesar das brigas, PT e PSDB são tudo farinha do mesmo saco e querem, juntos, acabar com direitos históricos dos trabalhadores. Querem limitar os gastos com saúde e educação pra mandar mais dinheiro aos banqueiros. Querem flexibilizar os direitos trabalhistas garantidos pela CLT. Querem que você trabalhe até morrer fazendo uma nova reforma da Previdência que vai aumentar a idade para se aposentar.

Neste momento, a crise nos estados atingiu em cheio os servidores públicos, a saúde e a educação. Salários não estão sendo pagos. A saúde pública, que já era um caos, está paralisada. Escolas públicas estão ameaças de fechar. E tudo isso está sendo feito por governadores do PT, do PSDB, do PMDB entre outros partidos que sempre estiveram ao lado dos patrões. Não vamos pagar pela crise!

A maioria das atividades do dia 1° de abril ainda está em construção nos estados. Serão organizadas plenárias e reuniões entre trabalhadores e estudantes. Exija que seu sindicato faça uma assembleia na sua categoria e organize a luta. Organize na sua escola ou universidade reuniões e plenárias para organizar atividades no 1° de abril. Este chamado vale especialmente pra você que está na luta contra o ajuste fiscal nos estados e para todos os trabalhadores que sofrem a ameaça do desemprego. Leve suas reivindicações para a rua. Vamos construir nas ruas a alternativa dos trabalhadores!

Publicado originalmente no Opinião Socialista nº 513