Rio: Após desocupação violenta no sábado, PM cerca a Câmara

31

Greve dos profissionais da educação é duramente reprimida pelo governo Cabral

Dando mostras de seu caráter repressivo e autoritário, o governo de Sérgio Cabral, atendendo solicitação do prefeito Eduardo Paes (ambos do PMDB) e de sua base na Câmara, ordenou o cerco ao entorno do prédio da Câmara de Vereadores do Rio dois depois da desocupação violenta realizada pela mesma PM.
 
Além de evitar a presença de manifestantes, os policiais militares estão impedindo a livre circulação das pessoas pelas ruas próximas ao local. Segundo informações o clima é muito tenso.O cerco policial a uma casa legislativa é mais uma demonstração de como os governos de Cabral e Paes são iguais na repressão aos movimentos sociais.
 
Contra a repressão
Por conta do cerco da Polícia Militar no entorno da Câmara de Vereadores, a direção do Sepe (sindicato estadual dos profissionais de educação do Rio de Janeiro) convocou dois atos de protesto para a tarde desta segunda-feira, (30/9). O primeiro ocorreu ao meio-dia em frente à prefeitura; de onde depois o ato seguiria para a Cinelândia e se encontrar com outros manifestantes.
 
O objetivo do ato é protestar e denunciar a repressão violenta do estado contra os grevistas e  garantir a segurança dos manifestantes que ainda se encontram acampados nos arredores do prédio legislativo.
 
Veja o vídeo em que a professora Suzana Gutierrez explica os motivos da greve