PR: Repudiamos a agressão física praticada por um militante do PSOL contra militante do coletivo “Quebrando Muros”

61

Agressão ocorreu durante o Ato Contra a Copa realizado no último dia 25, sábado. Neste texto apresentamos nossa concepção e defesa da moral revolucionária

“A IV Internacional arrasa os mágicos, os charlatães e os importunos professores de moral. Em uma sociedade fundamentada sobre a exploração, a moral suprema é a moral da revolução socialista. Bons são todos os métodos que elevam a consciência de classe dos operários, sua confiança em suas próprias forças, sua disposição à abnegação na luta. Inadmissíveis são os métodos que inspiram nos oprimidos o medo e a submissão diante dos opressores; sufocam o espírito de protesto e revolta e substituem a vontade das massas pela vontade dos chefes, a persuasão pela pressão, a análise da realidade pela demagogia e a falsificação. (Leon Trotsky, Programa de Transição, extraído livro Documentos de fundação da IV Internacional – Congresso de 1938, pág. 81, Ed. Sundermann, 2008. Grifos nossos)

No dia 25 de janeiro aconteceu em Curitiba o primeiro ato contra a Copa chamado nacionalmente pelo site do Anonymous. O PSTU participou deste ato e levou suas palavras de ordem de “Na Copa vai ter protestos, por mais saúde, transporte e educação!” e “Aniversário de Yarmouk, liberdade ao povo palestino, liberdade ao povo sírio!”.

Neste mesmo ato, infelizmente, ocorreu um fato lamentável frente ao qual nos vemos na obrigação de nos posicionar publicamente através desta nota. No início da manifestação, o militante do PSOL, Renato Almeida, responsável pelo núcleo periférico deste partido, agrediu um militante do Coletivo Quebrando Muros. Renato desferiu um soco no rosto de um companheiro de luta.

Este militante do PSOL tentava coordenar os encaminhamentos no início do ato [o curioso é que o ato foi chamado pelo Anonymous e ele colocava-se como se fosse direção do mesmo], e surpreendentemente, praticou a agressão porque um militante do PSTU pediu a palavra para propor aos manifestantes uma palavra de ordem. Em posse do megafone, Renato se recusou a conceder a palavra. Neste momento um militante do Coletivo Quebrando Muros colocou-se a defender a democracia entre os que lutam para que todos ativistas e organizações tivessem o direito de falar no protesto, e foi quando Renato reagiu descontroladamente com um soco no rosto deste militante.

Mais adiante, ainda durante o ato, vimos Renato dirigir-se até o companheiro que havia agredido para pedir desculpas. Na hora entendemos esta atitude como um primeiro passo no sentido de resolver este episódio entre as organizações de esquerda, porém, nesse dia 28, fomos novamente surpreendidos com a declaração publicada no site do Coletivo Quebrando Muros, que diz: “Após o vergonhoso ocorrido e de cabeça mais fria, ele [Renato] procurou nosso militante [do Coletivo Quebrando Muros] para se desculpar, usando a infeliz justificativa de que imaginava que ele fosse um militante do PSTU…”. Somos solidários ao companheiro agredido, repudiamos a agressão e não entendemos por que motivo um militante nosso mereceria ser agredido.

Lamentamos esta declaração de Renato e nos vemos obrigados a expor publicamente o que para nós significa este episódio tão ruim para os lutadores. Queremos contribuir em aproximar todos os que lutam pautados por uma moral revolucionária. Sobretudo, porque as organizações de esquerda precisarão estar juntas nas lutas deste ano, porque queremos estar ombro a ombro com os revolucionários no momento da revolução brasileira, mas também porque estamos empenhados em construir uma Frente de Esquerda com o PSOL e PCB nas eleições de 2014.

Não igualamos a atitude individual de um militante do PSOL ao que significa este partido enquanto organização mais ampla no campo da esquerda, composta por militantes honestos que confiam e apostam neste projeto como instrumento de transformação da sociedade. Respeitamos o PSOL e seus militantes. Por este motivo achamos que o partido precisa adotar uma posição pública frente à agressão física praticada por um de seus militantes contra um companheiro de luta, e também por ter apresentado a justificativa de que fez isso achando que era um militante do PSTU. As medidas internas cabem estritamente ao partido. O que ocorreu é muito grave e não pode acontecer de novo. Como ir para as lutas e nos aliar com aqueles que querem nos atacar fisicamente? É preciso refletir e entender a fundo o que ocorreu, por que esta concepção e prática é parte da degeneração moral da sociedade capitalista a qual as organizações de esquerda (incluindo nós) não estamos imunes. A virtude está em como enfrentamos estas pressões e episódios concretos no sentido de corrigir os erros.

Ao longo da história, o stalinismo usou dos métodos físicos para eliminar seus adversários políticos no terreno da classe trabalhadora. Os famosos processos de Moscou e o assassinato de León Trotsky são a face mais visível do que foram esse métodos no século passado. O fascismo foi sem dúvida à corrente mais nefasta da história contemporânea, surgiu com o propósito de exterminar fisicamente a vanguarda revolucionária do proletariado e destruir suas organizações. Mas é o Estado Burguês o principal instrumento de dominação de classe, através do qual a burguesia exerce seu poder através de diferentes regimes: democracia burguesa, bonapartismo ou ditaduras fascistas. Os regimes variam conforme a correlação de forças, mas a repressão física sempre é o principal método quando as massas ameaçam o poder da classe dominante. Por isso é tão grave a agressão física entre militantes que reivindicam ser de esquerda.

O que significa a agressão física entre militantes de esquerda?
Vamos direto ao ponto: esta agressão física de um militante de esquerda significa a divisão da nossa classe; a divisão daqueles que vão as ruas protestar; o enfraquecimento das lutas; semear a desconfiança entre as organizações que se propõem fazer a revolução socialista dos trabalhadores. No fato em questão, vários ativistas e jovens viram a agressão física e os motivos pelo qual ela aconteceu – que educação política eles tiveram ao ver este fato? E se fascistas tivessem se aproveitado da situação para agredir fisicamente a vanguarda de esquerda? Esta conduta está relacionada à degeneração moral da sociedade burguesa contemporânea, e também a degeneração das direções reformistas que controlam e vivem dos aparatos. A conduta foi irresponsável na forma e reacionária no conteúdo. Mesmo assim estamos dispostos a superar esta situação na prática.

No seio da classe trabalhadora existem diversas correntes de pensamento, que refletem a teoria e o programa do reformismo, do centrismo, do anarquismo, do anarco-sindicalismo e do marxismo. A ultradireita também tenta influenciar o movimento de massas com o seu programa, para avançar neste objetivo precisa desmoralizar e derrotar as organizações revolucionárias, mas a ela não vem do seio da nossa classe, é um elemento estranho e alheio ao movimento dos trabalhadores.

A democracia operária, entendida como a democracia ampla da classe trabalhadora em luta, é o principal instrumento pelo qual podemos organizar as tarefas políticas dos trabalhadores. Todos os programas políticos defendidos pelas organizações devem conquistar a classe operária e a juventude através da experiência prática na luta pela derrubada do capitalismo e destruição do seu Estado opressor. Isso é assim porque qualquer revolução é obra das massas rebeldes insatisfeitas com os seus governantes, é quando o programa revolucionário pode se combinar à atividade e necessidade das massas no caminho da tomada do poder, desde que exista uma organização com certa influência de massas.

Sem a democracia operária não é possível a colaboração das organizações de esquerda para organizar a ação revolucionária das massas. A unidade da esquerda está relacionada à necessidade que a classe trabalhadora tem de se unificar para enfrentar a burguesia e seu Estado. Isso não significa ter acordo em tudo, mas sim de respeitar as diferenças e a decisão da maioria. A experiência política e prática dos trabalhadores é quem deve dar o veredicto sobre qual é o programa mais justo.

Por isso, assim como Trotsky opinamos que “bons são todos os métodos que elevam a consciência de classe dos operários, sua confiança em suas próprias forças, sua disposição à abnegação na luta.” O que aconteceu precisa ser assimilado no seu significado mais profundo, repetimos, nenhuma organização está imune às pressões cotidianas advindas da degeneração da sociedade capitalista, uma expressão contundente do que estamos dizendo é a reprodução do machismo, da homofobia e do racismo nas organizações de esquerda e nos movimentos sociais, conseqüência do aumento dessas formas de opressão na sociedade contemporânea.

O episódio de agressão física que nos levou a expor algumas de nossas opiniões nesta nota também é mais uma expressão da degeneração moral das organizações de esquerda [neste caso de seu militante] sob o capitalismo. Foram muitos anos sem ascenso, o que fez prevalecer com mais força o conteúdo moral do “vale-tudo”, de natureza burguesa e pequeno-burguesa. O stalinismo e a social democracia foram às correntes responsáveis por introduzir os métodos da calúnia, agressão, fraudes nas eleições sindicais, roubo nos sindicatos e até mesmo o uso da opressão como instrumento de disputa política no movimento dos trabalhadores. Nós repudiamos esses métodos, por que eles não contribuem para o fortalecimento da nossa classe na luta contra o capitalismo.

Contra a moral burguesa degenerada, defendemos a moral proletária e revolucionária
O proletariado [trabalhadores assalariados] é a única classe progressiva de nossa época, é a única capaz de unir todos os explorados e oprimidos na luta contra o capitalismo, para levar adiante as tarefas políticas que a classe dominante de nossa época não é capaz de atender. A moral dos trabalhadores em luta em uma greve ou mobilização política é muito superior à moral burguesa. Para enfrentar os patrões e os governos, os trabalhadores precisam unir-se em base a mais ampla solidariedade de classe e espírito combativo. Esta moral é coletiva e não individual, na luta de classes tudo o que é individual ou subordina-se ao coletivo ou será repudiado e excluído pela maioria dos trabalhadores.

A moral revolucionária parte da moral proletária, da necessidade da união coletiva, onde acertos e erros são assimilados em base a democracia operária, mas se eleva acima dela, por que está relacionada à construção de organizações [para nós partidos revolucionários do tipo bolchevique] que tem por objetivo fazer a revolução socialista que derrubará o capitalismo e destruirá o Estado Burguês, abrindo caminho para a construção de uma sociedade sem classes em todo o mundo. Estas organizações precisam ser forjadas em base a mais elevada confiança mútua entre seus membros, que estão organizados em base a um programa revolucionário. Essa é moral da revolução socialista internacional, sem a qual é impossível organizar a vanguarda que trabalhará e se sacrificará conscientemente pela tomada do poder.

Unidade dos lutadores de esquerda para enfrentar o verdadeiro inimigo
Desde as jornadas de junho ficou claro como água o descaso dos governos e a polarização social do país, as grandes manifestações desnudaram quem está a favor das massas e quem está contra elas. Sem igualar o papel de cada um, nossos inimigos são os governos, o Estado Burguês, o imperialismo, o fascismo, a burguesia, as burocracias e o reformismo.

Manteremos-nos nas ruas e dispostos a colaborar com as demais organizações de esquerda nas próximas lutas. Temos enormes desafios neste ano, à unidade de ação não significa que teremos acordo em tudo, defenderemos a política que acreditamos ser melhor para fazer avançar a correlação de forças a favor da nossa classe, defenderemos a democracia operária nas lutas. Nenhuma agressão física deve ocorrer entre os lutadores, nossa violência de classe terá endereço e hora, quando as massas tiverem dispostas a enfrentar o Estado burguês, os agentes reformistas e os governos. Lutemos contra o capitalismo, seus governos, seus agentes e seu Estado opressor. Nossas armas serão o convencimento político, a análise da realidade, a unidade na ação política, a fraternidade, a franqueza, a honestidade, a solidariedade de classe e a moral da classe trabalhadora em luta. Esforcemo-nos em superar este episódio.

ACESSE o blog do PSTU Curitiba