Operários da construção civil fazem ato contra a reforma trabalhista e greve segue forte

Nessa terça-feira, dia de votação da reforma trabalhista no Senado, trabalhadores da construção civil de Fortaleza realizaram uma grande manifestação em defesa das reivindicações da categoria e contra as reformas que Temer e o Congresso Nacional corrupto (juntamente com os patrões) querem a todo custo aprovar.

Operários e operárias organizaram piquetes em frente aos canteiros de obra e marcharam até a sede da FIEC (Federação das Indústrias do Estado do Ceará). A manifestação foi contra a reforma trabalhista e em defesa da reabertura da mesa de negociação por parte dos patrões. A categoria reivindica vale combustível, reajuste na cesta básica e ganho real.

Devido à truculência dos empresários, a greve já se estende pelo sexto dia e, como parte dessa luta, os trabalhadores escolheram como local de manifestação a FIEC, que é presidida por um empresário da construção civil.

Se por um lado a patronal segue intransigente, do lado de cá da trincheira o movimento só aumenta, praticamente todos os canteiros da cidade estão paralisados, a adesão à greve é muita alta.

Classe operária na vanguarda das lutas
Em Fortaleza, os operários da construção civil estão na vanguarda da resistência contra os ataques do governo Temer. A categoria participou de todas as mobilizações nacionais e da greve geral. Os trabalhadores compreendem a necessidade de derrotar Temer e os pilantras do Congresso nas ruas. E repudiam totalmente as reformas da Previdência e trabalhista.

Um aspecto importante dessa greve é o surgimento de um movimento de base fortíssimo. O grupo “É Juntos e Misturados” vem atuando com peso no fortalecimento do sindicato e das lutas. Também segue a todo vapor o crescimento da CSP-Conlutas, uma central independente e classista, sem rabo preso a Patrões e Governos.

Por sua vez, o PSTU segue firme na linha de frente da greve, estaremos ombro a ombro com os trabalhadores até a vitória! Vamos à luta por nenhum direito a menos e pela conquista de nossas reivindicações!