Multa sobre consumo de água em SP: Alckmin quer que o povo pague a conta

27

Enquanto a negligência e a falta de investimentos do governo estadual tornam iminente um “apagão” no abastecimento de água na região metropolitana de São Paulo, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) segue tentando impor à população a pena por sua irresponsabilidade.

Na segunda-feira, dia 21, Alckmin anunciou durante visita a cidade de Franca que o governo vai multar quem aumentar o consumo de água em 30% sobre o valor da conta. A punição deverá valer a partir de maio.

O governador não detalhou como será aplicada a multa. A previsão é que deverá seguir a mesma lógica dos descontos atualmente oferecidos pela Sabesp a quem reduz o consumo. Caso seja detectado aumento de consumo em relação ao mês anterior ou ao mesmo mês do ano passado, o contribuinte terá de pagar a multa.

Alckmin também não especificou se a cobrança será em caso de o aumento ser 20% maior em relação ao consumo da conta anterior, a exemplo de como é feito na concessão do bônus para quem economiza água.

PSDB é irresponsável e o povo paga conta
O Sistema Cantareira registrou o nível mais baixo da história, a marca de 11,9% do volume útil disponível nas represas, nesta terça-feira, dia 22.

O governo segue tentando se esquivar da responsabilidade sobre a crise no abastecimento de água na Grande São Paulo, colocando a culpa na falta de chuvas.

Mas o fato é que, desde 2003, técnicos vinham alertando o governo sobre os riscos no abastecimento de água do sistema Cantareira. Mas Alckmin e a Sabesp, subordinada ao governo, ignoraram os avisos e não investiram para evitar a falta d’água.

A falta de chuvas no último período só trouxe à tona a política irresponsável do governo tucano que não priorizou o planejamento e investimentos em saneamento.

No orçamento de 2014, encaminhado à Assembleia Legislativa no ano passado, a previsão de gastos com serviços da dívida somavam R$ R$ 15,4 bilhões, valor mais de três vezes maior do que o destinado à área de saneamento básico, de R$ 4,3 bilhões.

Apesar de o governo do estado não admitir que exista um racionamento de água, já são várias denúncias de falta de abastecimento em bairros e um documento da Prefeitura de São Paulo afirma que a Sabesp já estaria fazendo rodízio de água entre as 0h e 5h.

O PSDB parece estar se especializando em apagões. Depois do “apagão energético” que afetou todo o país no governo do ex-presidente Fernando Henrique, agora é a vez do “apagão das aguas” na região mais populosa do país, com Alckmin.


Leia mais: “As reais causas do apagão  das águas do governo Alckmin”