Massacre de Manaus mostra falsidade da democracia dos ricos

O Brasil tem a quarta população carcerária do mundo, sendo que 40% dos presos são provisórios, quer dizer: não foram nunca julgados e se amontoam em presídios superlotados. A situação dos presídios e o tamanho da população carcerária brasileira, somada ao verdadeiro genocídio da juventude pobre e negra das periferias, demonstram que nos últimos 20 anos, o “controle social” realizado pelo Estado (e seus governos) não usou só de políticas compensatórias – mínimas e insuficientes diga-se de passagem- (como o PT gosta de alardear), mas usou fortemente da repressão. Por isso dispararam as mortes dos pobres e pretos e o encarceramento em massa, no compasso dos vários convênios e “colaboração” com os EUA em segurança pública promovidos por todos governantes brasileiros, do PSDB, PMDB, PT.

Mortos são perfilados no interior do presídio

O que assistimos em Manaus é a mais pura barbárie, produto do capitalismo e de políticas do Estado capitalista e seus governantes (todos eles). A PM (polícia militarizada para promover a “guerra” contra a “desordem” interna, ou seja, contra a população civil) é só a outra cara dessa situação de repressão e criminalização contra a pobreza, os negros e os lutadores dos movimentos sociais.

Por tudo isso, é muita hipocrisia falar de “Estado de exceção” quando uma meia dúzia de corruptos e corruptores, praticantes de crimes de colarinho branco, sofrem prisão provisória e preventiva, para logo ganharem tornozeleira eletrônica e gozarem a vida “confinados” por poucos anos nas suas mansões.

A democracia burguesa é a democracia dos ricos, para os pobres é tremendamente autoritária. E é preciso dizer que isso não melhorou nada com 14 anos de governos do PT, pelo contrário, só piorou. Nas barbas de um ministro da Justiça que se dizia defensor dos direitos humanos, a população carcerária do país teve progressão geométrica e a pena de morte aplicada na periferia também (para não falar dos indígenas e tantos outros).

Com Temer, PSDB e cia, e com a crise capitalista, no que depender do Estado burguês, a situação tende a piorar ainda mais. Contra a barbárie é preciso mudar esse sistema, parar de dar dinheiro aos banqueiros para dar moradia, educação, emprego e condições dignas de vida à nossa juventude para diminuir a criminalidade; desmilitarizar as PM’s e parar com o genocídio da juventude negra e com o encarceramento em massa, sem julgamento, misturando presos (desde inocentes, com gente que praticou pequeno delito e devia estar em regime semiaberto, com assassinos confessos e perigosos).

É preciso retomar a estratégia do socialismo e da revolução. A “humanização do capitalismo” demonstrou-se o que sempre foi: uma utopia impossível e reacionária. Os 14 anos de PT no governo demonstrou isso: muito longe de mudar o sistema, foi o sistema que mudou o PT, transformando-o nisso aí que estamos todos vendo.