Greve Geral: CSP-Conlutas lança carta aberta às centrais

190

A Secretaria Executiva Nacional da CSP-Conlutas aprovou uma carta aberta dirigida a todas centrais sindicais do país. Esta carta faz um chamado à construção de uma mobilização unitária e de uma Greve Geral contra as reformas da Previdência e Trabalhista, a PEC 241 que está em trâmite no Congresso Nacional, e o PL 257.  Esses ataques apontam um retrocesso histórico nas conquistas obtidas pelos trabalhadores brasileiros.

Chamado à construção da Greve Geral contra as reformas da Previdência e Trabalhista

Dirigimo-nos a todos os trabalhadores e especialmente às direções das centrais sindicais do país, CUT, Força Sindical, UGT, CTB, CSB, CGTB, NCST, intersindical, mas também a todas organizações do movimento popular e estudantil para que sigamos insistindo em manter todos os trabalhadores unidos em defesa dos direitos sociais e trabalhistas. É hora de organizarmos uma Greve Geral contra as reformas da Previdência e Trabalhista.

O país vive uma imensa crise econômica, social e política. Já são 12 milhões de desempregados, em muitos estados os salários dos servidores estão parcelados e o custo de vida aumenta a cada dia.

As reformas anunciadas pelo governo, o PL 257, bem como a PEC 241, que impõe um limite de investimentos sociais em áreas como saúde e educação, mostram que, mais uma vez, querem jogar a conta da crise econômica nas costas da classe trabalhadora e dos mais pobres. O governo vem defendendo a aplicação de um ajuste econômico que vai implicar em cortes sociais, no rebaixamento do poder aquisitivo e na piora das condições de vida dos mais necessitados. O resultado dessa ofensiva é: recessão, desemprego, aumento da informalidade, aumento da inflação, e mais ataques aos serviços e servidores públicos.

Os trabalhadores já demonstraram que não aceitam esses ataques e por isso, através do chamado unitário das centrais sindicais, já realizaram grandes mobilizações no mês de setembro: Jornada de luta em Brasília, que teve os servidores públicos à frente, nos dias 12, 13 e 14; manifestações nos estados e regionais no dia 15; paralisações em nível nacional no dia 22 (com os trabalhadores e trabalhadoras em educação básica à frente) e a expressiva paralisação nacional dos metalúrgicos realizada no dia 29, que também teve a adesão de uma parcela dos trabalhadores da construção civil e petroleiros.

Demonstrando a disposição de nossa classe em lutar contra essa ofensiva aos nossos direitos, precisamos intensificar a unidade e construirmos juntos uma Greve Geral contra as reformas da Previdência e Trabalhista!

As reformas da Previdência e Trabalhista, somada às outras medidas do chamado “ajuste fiscal”, irão atacar a todos os trabalhadores e aumentar o desemprego. Em particular as mulheres e mais os jovens. Só poderemos derrotá-los de forma unificada. Para isso é preciso organizarmos, todos juntos, uma mesma data para convocar uma Greve Geral no país. É preciso chamar reuniões comuns para organizá-la em todas as bases.

Entre inúmeras outras demandas, queremos melhores condições de trabalho, aposentadoria digna e a redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais, sem redução de salário e nenhum direito a menos;

Por essas propostas as centrais sindicais brasileiras, independentemente de outros posicionamentos, devem seguir unidas e manter a luta realizando greves, paralisações, atos, passeatas e manifestações por todo o país. É hora de dar um sentido político comum a essas lutas e parar país. Greve Geral, já!

São Paulo, 10 de outubro de 2016

por Secretaria Executiva Nacional da CSP-Conlutas