Florianópolis: Greve geral já, no civil, no magistério e na Comcap

Ato de municipários em frente à prefeitura de Florianópolis

É possível revogar o pacotão de Gean e da Câmara de Vereadores

Os trabalhadores da prefeitura de Florianópolis (SC) estão dando um grande exemplo com sua greve e mobilizações. Os governos e os patrões querem jogar a conta da crise econômica nas costas dos trabalhadores com uma ampla retirada de direitos, desemprego e retrocessos de todo tipo. O que o prefeito Gean Loureiro (PMDB) e a Câmara de Vereadores estão fazendo é a continuidade do que já fizeram César Jr. e Dilma Rousseff e do que fazem agora Temer e o governador de Santa Catarina, Raimundo Colombo. Somente com muita luta e independência será possível derrotar esses pacotes contra a classe trabalhadora e o serviço público.

O pacotão de Gean e da Câmara de Vereadores é muito amplo. Ataca os servidores públicos do civil e do magistério, retirando direitos históricos. Quer implantar as parcerias público-privadas, que sucatearão e privatizar a Companhia Melhoramentos da Capital (Comcap). A greve geral do civil, do magistério e da Comcap é uma necessidade. Se, hoje, Gean retira direitos históricos do estatuto e do plano de carreira dos servidores, amanhã vai retirar também do acordo coletivo da Comcap.

Já sabemos do que é capaz esse prefeito com as medidas contra o serviço público. Por isso, dizemos que também a Comcap está em perigo. Dizemos não à privatização da Comcap via parceria público-privada, em defesa dos direitos dos trabalhadores da companhia. A melhor hora para a greve da Comcap é agora. Que o sindicato chame imediatamente uma assembleia para decidir sobre uma greve geral conjunta com o civil e o magistério para derrubar o pacotão de Gean e da Câmara de Vereadores.

Nenhuma confiança no Gean e na Câmera de Vereadores
Juntos precisamos incentivar a organização popular e da classe trabalhadora em comitês por locais de trabalho, estudo e moradia para barrar o pacotão e apoiar a greve na prefeitura. Os ataques de Gean e da Câmara também atingem muito duramente a população trabalhadora e da periferia que dependem do serviço público.

Para piorar, o pacotão coloca em risco o meio ambiente da cidade ao tornar mais permissiva a ação da especulação imobiliária. Agora, população LGBT também foi duramente atacada com o veto do prefeito a dois projetos de lei que resguardavam direitos e faziam avançar a criminalização da homofobia e da transfobia. O prefeito voltou atrás, parcialmente, dos vetos diante da pressão popular.

Defendemos:
– Greve geral já do civil, do magistério e da Comcap
– Revogação de todas as medidas do pacotão de Gean e da Câmara
– Construção de comitês populares no locais de trabalho, estudo e moradia contra o pacotão e em apoio à greve
– Greve é um direito: contra qualquer criminalização da greve, do sindicato e das mobilizações
– Fim da perseguição aos LGBTs e contra os vetos de Gean aos projetos de lei
– Criminalização da homofobia e da transfobia
– Direito do uso do nome social e o reconhecimento da identidade de gênero de travestis e transexuais

Fora Gean e essa Câmara de Vereadores! Fora Temer! Fora Colombo! Fora todos eles!
Por um governo socialista dos trabalhadores apoiado em Conselhos Populares!

Por PSTU Florianópolis