Dez mil ocupam Esplanada em defesa de direitos e contra ataques aos trabalhadores

104
Foto: Andes-SN

Mais de 10 mil pessoas, entre servidores públicos federais, estaduais e municipais, militantes de movimentos sociais e estudantis tomaram as faixas da Esplanada dos Ministérios, na manhã dessa terça-feira (13), em uma grande marcha que integra a Jornada de Lutas, organizada pelo Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais (Fonasefe) em unidade com as Centrais Sindicais.
 
Os manifestantes cobravam a saída do presidente Michel Temer, a retirada de projetos de lei que atacam os serviços públicos, os direitos dos trabalhadores e congelam os orçamentos da União e dos estados como a PEC 241/2016 e o PLP 257/2016 (atual PLC 54/16) e protestavam também contra as reformas Trabalhista e Previdenciária, já anunciadas pelo governo Temer.
 
A marcha foi marcada pelo uníssono “Fora Temer”, expresso também em camisetas, faixas e adesivos. Diversas bandeiras cobravam também novas eleições e quase todas as falas durante o trajeto, que percorreu a Esplanada, do Museu da República ao Ministério da Fazenda, com direito à parada em frente ao Congresso Nacional, destacavam a grande expressão daquela manifestação e a importância da unidade das categorias de trabalhadores, dos movimentos sociais e centrais sindicais para a construção da greve geral.
 
“Essa jornada de lutas está sendo um importante passo para a construção da unidade da classe trabalhadora. Todas as entidades estão se esforçando, porque apenas com a unidade da classe será possível construir a greve geral, para dizer, a este governo ilegítimo, que nós não aceitaremos nenhum retrocesso nos nossos direitos. Nós, professores das universidades públicas e institutos federais de todo o Brasil, juntos com os demais servidores e estudantes, entidades, movimentos sociais, não mediremos esforços para construir esta unidade e nos mobilizarmos rumo à greve geral”, ressaltou Eblin Farage, presidente do ANDES-SN.
 
A presidente do Sindicato Nacional afirmou ainda que é importante que os manifestantes se coloquem contrários aos projetos do “Escola sem Partido”, que busca amordaçar os professores e impor uma ideologia única ao ensino, o PLS 204/2016, que irá aumentar a dívida pública de estados e municípios através de uma manobra ilegal, e também pressionem os parlamentares pela rejeição do PLP 257 e da PEC 241. “É fundamental que a gente consiga dialogar com a população sobre esses projetos, que precarizam ainda mais as condições de vida dos brasileiros, e a importância de se unirem à nossa luta em defesa dos direitos sociais e dos serviços públicos. Fora Temer e rumo à greve geral!”, exclamou no carro de som, em frente ao Congresso Nacional.
 
Paulo Barela falou em nome do PSTU no ato. “Estamos construindo essa unidade e queremos avançar com mais lutas para enfrentar os ajustes fiscais e as reformas sindical e da previdência do governo Temer. O mundo vive uma forte crise econômica e ela bate com força aqui no Brasil. Mas tal como acontece em países como a França e a Grécia, ou no norte da África, onde os trabalhadores se levantam em poderosas mobilizações, greves e até mesmo revoluções, em nosso país os trabalhadores, a juventude e os movimentos populares realizam lutas importantes e se enfrentam contra a burguesia e seus governos. Neste momento, além dos servidores públicos, bancários, petroleiros, funcionários dos Correios e metalúrgicos se organizam para lutar por seus direitos”, afirmou.
 
Sobre a polêmica do impeachment de Dilma, Barela disse que “não achamos que está em curso um golpe no país“. Segundo ele: “Os ataques que são desferidos por Temer começaram nos governos do PT, quando eram aliados. Dilma saiu porque era odiada pelas massas trabalhadoras e já não servia para atender os interesses dos ricos e poderosos e aplicar seus planos fiscais e reformas“.
 
Nós do PSTU  e a imensa maioria dos trabalhadores, não queremos a volta de Dilma. Estamos juntos pelo Fora Temer, mas não defendemos o retorno de seus aliados da Frente Popular. Queremos sim pôr todos pra fora. Exigimos Fora Temer e Fora Todos Eles. Fora esse congresso corrupto e reacionário! Vamos construir a greve geral para derrotá-los e conquistar nas ruas o direito de realizar eleições gerais com novas regras“, finalizou Barela.
 
Já no final da marcha, em frente ao ministério da Fazenda, Atnagoras Lopes falou em nome da CSP-Conlutas. Ele ressaltou a importância da unidade construída naquele ato, entre as diversas categorias, as centrais sindicais e os movimentos sociais e reforçou a importância da unificação da luta também com os trabalhadores da iniciativa privada, para a construção de um grande calendário de mobilizações. “Destacamos a importância do dia 22 e enaltecemos o valor do dia 29, quando nacionalmente todas as centrais unificadas, que estão presentes nessa marcha, estão convocando uma greve nacional do setor metalúrgico do país, e esperamos que todos se juntem. Tenho certeza que o exemplo de unidade que as categorias do serviço público dão hoje é fundamental para paramos esse país rumo à greve geral”, reforçou Lopes.
 
Eblin Farage avaliou como muito positiva a unidade construída entre as diversas categorias dos servidores públicos federais, estaduais, municipais, movimentos sociais, estudantes para a realização da marcha e ressaltou ser fundamental que essa unidade se amplie na perspectiva da construção da greve geral. “Hoje demos um grande passo na construção da unidade com diferentes setores, e a perspectiva é que iremos avançar, com as paralisações e atos marcados para os dias 22 e 29, na construção de uma agenda de lutas, tendo no horizonte a construção da greve geral e a defesa dos direitos dos trabalhadores e trabalhadoras. Esse é o nosso desafio”, concluiu.
 
Ocupação
Após o término da marcha, manifestantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) ocuparam o ministério das Cidades. Após negociação, conseguiram ser recebidos pelo ministro das Cidades, Bruno Araújo, para apresentar a pauta de reivindicações do movimento.
 
Jornada de Lutas
A jornada de lutas termina nesta quarta-feira (14), com realização da reunião ampliada dos servidores públicos na tenda montada na Esplanada dos Ministérios, quando será feita balanço das atividades e discutidas novas ações do conjunto das categorias.

LEIA TAMBÉM:
Reunião ampliada dos servidores define calendário de lutas das próximas semanas

 

 
Baixe os materiais da Jornada de Lutas:
 
Com informações do ANDES-SN