Declaração do Espaço de Unidade de Ação sobre a atual situação política do Brasil

98

As organizações sindicais e estudantis, movimentos sociais e populares reunidos em São Paulo neste dia 9 de dezembro de 2015, frente ao quadro político atual em nosso pais, adotam a seguinte declaração

As manifestações convocadas para os dias 13 e 16 desse mês não representam os interesses e anseios dos trabalhadores e da juventude brasileiras. O dia 16 é convocado pela “Frente Brasil Popular” e pela “Frente do Povo Sem Medo”, compostas por organizações sindicais, estudantis e populares como a CUT, UNE, CTB, MST e MTST, além do PT e PCdoB, partidos da base de sustentação do atual governo, responsável pelos brutais ataques que nossa classe vem sofrendo e que governa a serviço dos interesses do grande empresariado. Essa manifestação defende a manutenção do atual governo no poder.

Antes, no dia 13, irão às ruas movimentos e partidos da oposição burguesa de direita, que defendem o impeachment como saída política para a crise. São organizações de diversos matizes, incluindo elementos conservadores e mesmo de extrema-direita, capitaneados pelo PSDB, DEM, PPS e amplos setores do PMDB ligados a Eduardo Cunha e outros reacionários, além de movimentos como o “Vem Pra Rua” e “Brasil Livre”.

As organizações que compõem o Espaço de Unidade de Ação não participarão dessas manifestações, pois trata-se da reedição das iniciativas dos dois principais campos políticos, ambos dominados por setores burgueses de peso, que disputam os rumos do pais.

A defesa da manutenção do governo Dilma, responsável direto pelos principais ataques que estamos sofrendo, mesmo que com críticas à sua política econômica, é parte de uma política de engano dos trabalhadores e da juventude, e de blindagem dessa coalizão com grandes setores da burguesia, que já governa o país há treze anos.

O suposto golpe alardeado por segmentos que sustentam o governo é parte dessa política de engano. Não há golpe sendo tramado. O que estamos assistindo é um espetáculo grotesco de disputa do poder por frações do grande capital, alinhadas ou em oposição ao governo Dilma (PT), governo esse que perdeu o controle sobre a economia e a capacidade de deter as mobilizações dos trabalhadores.

A serventia desse governo para os patrões, banqueiros e latifundiários já não é, portanto, tão importante. A ruptura de amplos segmentos dos trabalhadores e da juventude, com o governo, com o PT e as direções burocráticas que defendem o governo é um processo histórico e muito positivo. A situação exige uma ampla reorganização da classe trabalhadora em oposição ao que está posto, que não são de fato alternativas para a classe.

Já a saída apontada pela oposição burguesa de direita, através do impeachment, significa entregar o poder ao atual vice, Michel Temer, do PMDB, partido fisiológico, expressão de caciques e oligarquias regionais, e que tem entre seus quadros figuras como Renan, Cunha, Sarney e tantos outros corruptos e aproveitadores. Essa saída, portanto, não é de interesse dos trabalhadores e da juventude e não vai mudar a nossa vida, pois seguirá sendo aplicada a mesma agenda econômica, expressa no documento “Uma ponte para o futuro!”.

Não devem os trabalhadores e a juventude escolherem, portanto, entre os senhores da casa grande e os seus capatazes.

Nesse sentido nos causa preocupação que organizações combativas, como o MTST e a Intersindical/CCT, além de expressivos segmentos do PSOL, se somem aos atos do dia 16 e da defesa da permanência do governo Dilma/PT

São segmentos com os quais temos procurado trabalhar em conjunto, na perspectiva de construção de mobilizações independentes e unitárias, que expressem esse esforço de construção de um pólo alternativo, necessário para que não sejam os trabalhadores a pagarem mais uma vez os custos da crise que não criamos.

Foi com essa perspectiva que realizamos uma grande marcha nacional de trabalhadores e trabalhadoras em setembro desse ano, seguida de um encontro nacional de lutadores e lutadoras.

Esse encontro apontou bandeiras e uma perspectiva que seguem vigentes: “Contra Dilma-PT, Cunha, Temer e Renan-PMDB; Aécio/PSDB! Derrotar o ajuste fiscal! Que os ricos paguem pela crise! Por uma alternativa classista dos trabalhadores, da juventude e do povo pobre!”

A razão de fundo dessa posição também está expressa em nossa resolução: “perante a crise econômica, o governo Dilma, o Congresso Nacional, a oposição burguesa, o imperialismo, banqueiros e toda a patronal, apesar das fissuras inter-burguesas, das disputas políticas e da crise de governabilidade, possuem um acordo mais geral: jogar a crise nas costas dos trabalhadores”.

Essa situação não mudou, ao contrário, aprofundou-se. Agudizaram-se a crise econômica e a polarização política, bem como a resistência operária e popular, expressa em inúmeras greves e mobilizações, como entre os petroleiros, trabalhadores dos correios, bancários, operários metalúrgicos, servidores públicos, estudantes secundaristas de São Paulo, ocupações de escolas e universidades, luta das mulheres contra o PL 5069, dos povos indígenas contra a invasão de seus territórios, dos atingidos pelo rompimento da barragem da Samarco/Vale, dentre tantas outras.

De nossa parte, seguimos fazendo o chamado a que as organizações dos trabalhadores e da juventude, que estão sustentando o governo Dilma, nesse momento, rompam com essa política e se somam às lutas em defesa da classe.

Somente pela ação independente do movimento de massas vão ocorrer as mudanças que defendemos. Essas não virão com a continuidade do governo Dilma/PT nem pelas mãos de Temer, Cunha, Renan ou Aécio. Por isso lutamos contra os dois blocos.

Nem dia 13 nem dia 16! Construir uma alternativa dos trabalhadores, da juventude e do povo pobre!

 

São Paulo, 9 de dezembro de 2015