quarta-feira, 30 de Maio de 2012

Greve nas universidades federais já é uma das maiores dos últimos anos

Greve iniciada no dia 17 de maio ganha apoio dos estudantes; marcha nacional pela Educação ocorre dia 5 de junho em Brasília

Estudantes da UFRJ aprovam greve estudantil

No dia 17 de maio, os professores das universidades federais iniciaram uma forte greve que atinge hoje cerca de 50 instituições em todo o país, sendo já um dos maiores movimentos grevistas dos últimos anos no setor. Desde o início, a greve nas federais surpreendeu pela ampla adesão, começando com mais de 30 instituições logo no primeiro dia.

Além do apoio dos estudantes, a greve vem atingindo instituições federais e setores normalmente refratários a movimentos paredistas. Não é difícil entender a indignação que atinge a comunidade universitária. Os docentes sofrem com um plano de carreira defasado e o descaso do governo, enquanto as universidades federais estão literalmente caindo aos pedaços, com uma infraestrutura sucateada e falta de professores.

O quadro é tão dramático que, segundo o Andes-SN (Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior), o início do ano letivo de 2012 foi suspenso ou atrasado em diversos cursos devido à falta de condições em várias universidades. “Existem instituições sem professores, sem laboratórios, sem salas de aula, sem refeitórios ou restaurantes universitários, até sem bebedouros e papel higiênico” , informa carta aberta do sindicato à população.

Além da ampla adesão dos docentes, a greve nas universidades federais também conta com apoio massivo dos estudantes. Nesse dia 29 de maio uma assembleia histórica na UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), a maior do país, reuniu cerca de 2 mil alunos, que aprovaram greve estudantil por melhorias nas condições de ensino. Estudantes de 20 universidades federais já teriam decretado também greve estudantil.

Descaso do governo
O governo Dilma e o Ministério da Educação, além de serem responsáveis pela situação de precariedade das universidades federais, vêm tratando a greve e as reivindicações dos docentes e estudantes com total descaso. No último dia 25 o representante do Ministério do Planejamento indicado para negociar com os professores simplesmente desmarcou a reunião agendada para aquele dia, sem qualquer justificativa. Seria a primeira reunião com o governo desde o início da greve. Já o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, se limita a atacar a greve e a exortar os professores a voltarem ao trabalho na imprensa, mas se nega a abrir diálogo com os docentes.

Parte da indignação dos docentes vem do fato de o governo ter assinado, em 2011, um acordo em que se prontifica a fechar um novo plano de Carreira até o dia 31 de março de 2012. Porém, passada essa data, não havia nada de concreto. A desvalorização da carreira docente nas universidades públicas afeta a qualidade de ensino e, junto com a precarização causada pelos sucessivos cortes no Orçamento, aprofunda a crise da Educação. A isso se somam as unidades sem a menor infraestrutura abertas após a aprovação do Reuni (Programa de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais) em 2007 e que impôs o aumento do número de vagas nas federais sem o consequente aumento nas verbas destinadas às universidades. Resultado: salas superlotadas, estudantes sem salas ou professores e falta de materiais básicos.



"A greve é uma reação ao desmonte da universidade pública imposta por sucessivos governos que, desde FHC, vem aplicando os planos dos organismos internacionais como ONU, Banco Mundial e a OMC, com o objetivo de atender às demandas do capital em crise", afirma Cláudia Durans, docente da UFMA (Universidade Federal do Maranhão), explicando que tal plano prevê a "flexibilização e dissociação entre ensino, pesquisa e extensão, diversificação nas modalidades de ensino (cursos sequenciais, licenciaturas e bacharelados interdisciplinares), ensino à distância, avanço da privatização favorecendo os grandes grupos econômicos, como o Prouni, e a própria degradação das condições de trabalho e de desenvolvimento das atividades acadêmicas, de qualificação".

Unificar as lutas
"É importante avançar na unificação da greve com os técnicos administrativos das universidades federais, que tem indicativo de greve para o dia 11 de junho, assim como reafirmar a unidade com os estudantes", afirma Durans. Entidades como o Andes-SN, Fasubra (Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores das Universidades Públicas Brasileiras) e ANEL (Assembleia Nacional dos Estudantes-Livre) convocam uma marcha nacional pela Educação para o próximo dia 5 de junho em Brasília, exigindo o atendimento das reivindicações dos trabalhadores em educação e a melhoria no ensino, incluindo a exigência de 10% do PIB para a Educação.

LEIA MAIS
Nota da Juventude do PSTU em apoio à greve

Declaração ANEL
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 

JORNAL

OPINIÃO

SOCIALISTA

Uma voz de esquerda operária e socialista

GALERIAS DE FOTOS

Sede nacional:

Avenida Nove de Julho, 925

Bela Vista - São Paulo - SP

Metrô Anhangabaú

CEP 01313-000

(11) 5581.5776

São Paulo - Centro - SP

Rua Florêncio de Abreu, 248

(11) 3313.5604

saopaulo@pstu.org.br

http://pstupaulista.blogspot.com.br/

Rio de Janeiro - RJ

Rua da Lapa, 180

(21) 2232.9458

riodejaneiro@pstu.org.br

rio.pstu.org.br

Belém - PA

Travessa Curuzu, n° 1995 - Altos

(91) 3226.6825

belem@pstu.org.br

blogpstupa.blogspot.com.br

São Paulo - Zona Sul - SP

Rua Julio Verne, 28

(11) 5523.8440

pstu.dasul@ymail.com

Rio de Janeiro - Madureira - RJ

Av. Ministro Edgar Romero, 584/302

riodejaneiro@pstu.org.br

rio.pstu.org.br

Natal - RN

Letícia Cerqueira, 23

(84) 2020.1290

natal@pstu.org.br

psturn.blogspot.com

São Paulo - Zona Leste - SP

Rua Henrique de Paula França, 136

(11) 99150.3515

saopaulo@pstu.org.br

Belo Horizonte - MG

Edifício Vera Cruz, Rua dos Goitacazes 103, sala 2001.

bh@pstu.org.br

minas.pstu.org.br

Fortaleza - CE

Rua Juvenal Galeno, 710

(85) 3044.0056

fortaleza@pstu.org.br

São Paulo - Zona Oeste - SP

Rua Alves Branco, 65

(11) 98195.6893

saopaulo@pstu.org.br

Porto Alegre - RS

Rua General Portinho, 243

(51) 3024.3486 e 3024.3409

portoalegre@pstu.org.br

pstugaucho.blogspot.com

Aracaju - SE

Av. Gasoduto, 1538-b

(79) 3251.3530

aracaju@pstu.org.br

pstusergipe.com.br/

Mais sedes...