terça-feira, 29 de Maio de 2012

Contra a opressão e a exploração, PSTU participa da Marcha das Vadias em São Luis (MA)

Marcha das Vadias reuniu 500 pessoas na capital do Maranhão

Neste 26 de maio aconteceu em São Luís a I Marcha das Vadias, que reuniu 500 pessoas. A marcha teve origem em 2011 no Canadá em protesto à fala de um policial que orientou as jovens a não usarem roupas de ‘vadias’ para evitar serem estupradas. A partir disso, em vários países as mulheres se mobilizaram contra a responsabilização da mulher pela própria violência que sofre.

O PSTU esteve na construção da marcha para exigir de Dilma a aplicação e ampliação da Lei Maria da Penha, denunciando a violência do sistema capitalista contra as mulheres e a necessidade de construir uma sociedade sem classes que garanta a real liberdade das mulheres.

A luta contra a violência
O tema central da marcha é violência contra a mulher e a defesa da liberdade sexual. No Brasil, a cada 2 minutos, 5 mulheres são espancadas e a cada 12 segundos, uma mulher é estuprada. A violência sexual é uma realidade para milhares de mulheres. Na comunidade do Pinheirinho em São Paulo, duas moradoras foram estupradas pela ação criminosa da polícia.

No Maranhão, segundo dados do Governo do Estado, o número de mulheres mortas de forma violenta é superior ao de detentos assassinados no sistema carcerário. De acordo com a Secretaria Estadual da Mulher (SEMU), foram registrados 54 homicídios em delegacias e presídios do estado, contra pelo menos 62 casos de mulheres brutalmente assassinadas. Mais de 25% das mulheres foram mortas de forma brutal, fruto de ciúmes ou da não aceitação do fim do relacionamento por seus parceiros. A mulher do campo é muito mais vulnerável á violência que a mulher urbana.

Essa realidade é consequência de uma sociedade que transforma as diferenças em desigualdades e as utiliza para oprimir. As mulheres que mais sofrem com a violência são as mulheres pobres, que não possuem independência financeira, que dependem do transporte público e do amparo do Estado.

As mulheres, que são metade da classe trabalhadora brasileira (46%), estão localizadas nos setores menos remunerados. Ganham em média até 33% menos que um homem para uma mesma função. Essa desigualdade é convertida em mais lucros para os patrões, que se utilizam e reproduzem características que naturalizam as mulheres como inferiores. Essa diferença ainda é maior quando falamos das mulheres negras

Isso demonstra que para a maior parte das mulheres o machismo significa o aumento da exploração. As mulheres trabalhadoras sofrem de forma combinada a opressão e a exploração capitalista. E esse Estado, que está a serviço dos patrões, não está a serviço das mulheres pobres, que morrem em grande número todos os anos em decorrência de abortos clandestinos, nas filas dos hospitais, que seguem sendo vítimas da violência doméstica.

No governo de uma mulher,
elas continuam sem direitos básicos

A Presidenta Dilma, primeira mulher a ocupar um cargo como esse no Brasil, demonstra em linhas claras que não prioriza politicas específicas para o atendimento da melhoria de vida das mulheres. A cada ano, 1 milhão de mulheres realizam aborto no Brasil e 200 mil morrem em decorrência dos abortos clandestinos. Assim que assumiu o governo, Dilma tratou como barganha a questão da legalização do aborto, bandeira histórica do movimento feminista, se comprometendo com a bancada religiosa que em nada iria intervir em relação à isso. É a expressão de uma sociedade que tira a autonomia da mulher em nome de uma moral construída para a burguesia.



As mulheres trabalhadoras não podem optar por não manter uma gravidez, ao mesmo tempo em que não possui garantias de uma maternidade digna. O Estado não garante licença maternidade efetiva e nem creches públicas de qualidade para deixarem seus filhos. A Presidenta prometeu construir 6427 novas creches. Em 2011 nenhuma nova creche foi entregue pelo governo federal.

Além disso, os enormes cortes no Orçamento afetam diretamente o financiamento para Educação, Saúde, Transporte e para os programas de combate à violência, interferindo assim diretamente na vida das mulheres trabalhadoras. O Maranhão segue com essa realidade, nos desmandos de uma mulher no Governo do Estado, representante de uma oligarquia que domina a região há mais de 40 anos. Por isso afirmamos que não basta ser mulher, é preciso governar para os trabalhadores e trabalhadoras.

É preciso exigir de Dilma que construa creches para que as mulheres trabalhadoras possam trabalhar e estudar com dignidade, que seja priorizado o financiamento para o combate à violência, para educação e saúde de qualidade. A Lei Maria da Penha precisa ser realmente aplicada e ampliada. Exigimos dignidade e melhoria de vida para as mulheres trabalhadoras.

Unidade da classe trabalhadora
Estivemos na marcha porque acreditamos que é importante para avançar na luta das mulheres, porque precisamos combater todas as expressões do machismo e não admitir a injustiça e a opressão. O machismo é mais uma forma de dividir a classe trabalhadora e fragmentar as lutas, e só serve aos patrões. Mas não paramos por aí.

Não acreditamos na liberdade das mulheres no capitalismo, que transforma as relações em lucro e explora a maior parte da população. Defendemos que somente com a construção do socialismo teremos o caminho para construir outras relações, sem opressão, e sem exploração. Esse caminho se dá através da luta, da mobilização independente da classe trabalhadora.

Não acreditamos na unidade das mulheres burguesas e trabalhadoras pelo fim da violência e pelo socialismo, porque enquanto umas são exploradas outras exploram. É necessário separar as burguesas das trabalhadoras, unificar com os homens de nossa classe e dar o combate estrutural à sociedade capitalista.

A luta contra a opressão é uma das tarefas de homens e mulheres na luta contra a exploração, porque não é possível construir o socialismo sem uma luta inflexível e permanente contra o machismo.

LEIA MAIS
Marcha das Vadias e uma reflexão sobre a luta das mulheres
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 

JORNAL

OPINIÃO

SOCIALISTA

Uma voz de esquerda operária e socialista

GALERIAS DE FOTOS

Sede nacional:

Avenida Nove de Julho, 925

Bela Vista - São Paulo - SP

Metrô Anhangabaú

CEP 01313-000

(11) 5581.5776

São Paulo - Centro - SP

Rua Florêncio de Abreu, 248

(11) 3313.5604

saopaulo@pstu.org.br

http://pstupaulista.blogspot.com.br/

Rio de Janeiro - RJ

Rua da Lapa, 180

(21) 2232.9458

riodejaneiro@pstu.org.br

rio.pstu.org.br

Belém - PA

Travessa Curuzu, n° 1995 - Altos

(91) 3226.6825

belem@pstu.org.br

blogpstupa.blogspot.com.br

São Paulo - Zona Sul - SP

Rua Julio Verne, 28

(11) 5523.8440

pstu.dasul@ymail.com

Rio de Janeiro - Madureira - RJ

Av. Ministro Edgar Romero, 584/302

riodejaneiro@pstu.org.br

rio.pstu.org.br

Natal - RN

Letícia Cerqueira, 23

(84) 2020.1290

natal@pstu.org.br

psturn.blogspot.com

São Paulo - Zona Leste - SP

Rua Henrique de Paula França, 136

(11) 99150.3515

saopaulo@pstu.org.br

Belo Horizonte - MG

Edifício Vera Cruz, Rua dos Goitacazes 103, sala 2001.

bh@pstu.org.br

minas.pstu.org.br

Fortaleza - CE

Rua Juvenal Galeno, 710

(85) 3044.0056

fortaleza@pstu.org.br

São Paulo - Zona Oeste - SP

Rua Alves Branco, 65

(11) 98195.6893

saopaulo@pstu.org.br

Porto Alegre - RS

Rua General Portinho, 243

(51) 3024.3486 e 3024.3409

portoalegre@pstu.org.br

pstugaucho.blogspot.com

Aracaju - SE

Av. Gasoduto, 1538-b

(79) 3251.3530

aracaju@pstu.org.br

pstusergipe.com.br/

Mais sedes...