Bolsonaro compara negros com gado durante palestra

16996
Clube Hebraica-RJ ofereceu o palco para o festival de racismo, homofobia e machismo de Bolsonaro

O deputado machista, racista e homofóbico, Jair Bolsonaro (PSC-RJ), deu mais uma mostra criminosa de seu racismo durante palestra realizada no Clube Hebraica do Rio de Janeiro no último dia 3. Referindo-se a negros quilombolas, Bolsonaro utilizou termos associados à criação de gado, de forma pejorativa.

Fui num quilombo em Eldorado Paulista. Olha, o afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas. Não fazem nada! Eu acho que nem para procriador ele serve mais“, afirmou à plateia em tom de sarcasmo. Bolsonaro também dirigiu seu ódio à população indígena, dizendo que, se for eleito presidente, “não vai ter um centímetro demarcado para reserva indígena ou para quilombola“.

As frases foram ditas quando Bolsonaro criticava as demarcações de terras indígenas e quilombolas, pelas “riquezas que elas têm embaixo”.

A palestra teve ainda exemplos de homofobia, machismo e xenofobia. Dizendo-se contrário à concessão de asilo político a refugiados, Bolsonaro afirmou que “não podemos abrir as portas para todo mundo“. E, comprovando que compartilha mesmo de uma concepção de “raça” superior e inferior, afirmou o seguinte: “alguém já viu um japonês pedindo esmola por aí? Não, porque é uma raça que tem vergonha na cara“.

Para se contrapor à “acusação” de homofobia, Bolsonaro, mais uma vez, expôs de forma mais que contundente sua aversão aos LGBT’s. “Se um idiota num debate comigo falar sobre misoginia, homofobia, racismo, baitolismo, eu não vou responder sobre isso“, emendando que “se um bigodudo quer dormir com um careca, vai ser feliz“. No “stand-up” de horrores protagonizado na Hebraica, Bolsonaro disse ainda ter tido quatro filhos, mas que no, quinto, deu uma “fraquejada e nasceu mulher“.

Prisão para o racista Bolsonaro!
É preciso mais que simplesmente repudiar as falas racistas, machistas e homofóbicas de Bolsonaro, assim como sua apologia à ditadura militar e às torturas. É preciso exigir a prisão desse deputado que se utiliza de sua condição de parlamentar para praticar o crime de racismo publicamente, certo de sua impunidade.

Infelizmente, a LGBTfobia ainda não é crime, muito pela ação dos governos do PT que rifaram a reivindicação em troca da aliança com setores fundamentalistas. Mas racismo é e vale perguntar: o que Bolsonaro faz fora da cadeia? Prisão já para esse racista!

Se tiver estômago, você pode conferir a palestra completa aqui