Bahia: Diretoria dos Correios pune militante do PSTU

142

A ecetista Keila Fernanda – diretora do Sindicato dos Trabalhadores em Correios e Telégrafos do Estado da Bahia (Sincotelba), ativista do Movimento Mulheres em Luta (MML – CSP- Conlutas) e militante do PSTU – recebeu, no último dia 4, uma punição de 15 dias de suspensão de suas atividades laborais.

Keila Fernanda é perseguida pela direção dos Correios na Bahia por suas lutas em defesa de melhores condições de trabalho, direitos de saúde, segurança e o combate à gestão baseada no assédio para intimidar os trabalhadores.

A punição à Keila Fernanda é parte da escalada de assédio moral na Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos, que também tem vitimado milhares de outros trabalhadores e trabalhadoras em todas as diretorias regionais com transferências arbitrárias, advertências verbais e escritas, suspensões e demissões por “justa causa”.

Desde 2013, com sucessivos processos administrativos e penalidades desproporcionais, além da transferência arbitrária de setor, o assédio contra Keila Fernanda tem, cada vez mais, se escancarado.

No Rio de Janeiro, um parecer conclusivo de um processo administrativo (com diversos vícios processuais) recomenda a dispensa por justa causa do ecetista e cipeiro Heitor Fernandes, também ativista da CSP- Conlutas e militante do PSTU. Assim como o processo administrativo de Heitor Fernandes, o de Keila Fernanda trata-se de um instrumento de perseguição política.

Os trabalhadores e trabalhadoras dos Correios estão realizando suas atividades profissionais sob péssimas condições de trabalho e sem condições humanas de seguir prestando um serviço de qualidade à população brasileira. É crescente a brutal sobrecarga de trabalho, causando sérios danos à saúde física e mental, além da falta de segurança que sempre resultam em acidentes de trabalho, doenças ocupacionais e em condutas de assédio moral praticadas pelos gestores em nível nacional.

A atuação das representantes sindicais como a Keila Fernanda e de membros da CIPA como Heitor Fernandes tem sido fundamental na identificação, na ampla denúncia e na cobrança de soluções destes e de outros problemas. Infelizmente, como respostas não são encontradas as soluções cobradas. Ao contrário, na maioria das vezes, as respostas dos gestores tem sido o descaso, a arrogância, a truculência e ações de criminalização das atividades sindicais e das CIPAS, com aplicação crescente de Processos Administrativos Disciplinares e punições.

É preciso organizar uma campanha nacional contra as perseguições políticas nos Correios. Cobrir de solidariedade as trabalhadoras e trabalhadores perseguidos. Exigir da empresa o cancelamento dos processos administrativos e o fim do assédio moral que também tem vitimado milhares de outros trabalhadores e trabalhadoras em todas as diretorias regionais com transferências arbitrárias, advertências verbais e escritas, suspensões e demissões por “justa causa”.

– Todo apoio e solidariedade à Keila Fernanda e Heitor Fernandes

– Cancelamento imediato dos processos administrativos e das punições

– Basta de assédio moral na Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos

por Roberto Aguiar, de Salvador (BA)