Após mobilizações, Alckmin anuncia suspensão do fechamento de escolas

41

Fotos Agência Brasil

Governo anuncia suspensão da “reorganização” escolar, mas ainda não há nada concreto

Após estudantes secundaristas da rede pública estadual terem ocupado ao menos 200 escolas e uma semana de intensas manifestações, duramente reprimidas pela Polícia Militar, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) anunciou, em entrevista coletiva realizada às 13h desta sexta, 4, a suspensão de seu projeto de reorganização que previa o fechamento imediato de 93 escolas e o remanejamento de milhares de alunos.

Ao mesmo tempo em que foi divulgada a suspensão do projeto, também foi anunciada a demissão do Secretário de Educação do estado, Herman Voorwald.

O governo Alckmin acumulava grande desgaste diante da mobilização estudantil contra o projeto. Apesar da truculência e repressão policial, o movimento angariou amplo apoio da população, incluindo pais e mães dos alunos, que não cederam à pressão do governo e se juntaram aos estudantes contra o fechamento das escolas.

Vitória parcial
Apesar da estratégia do governo Alckmin de combater as ocupações e as manifestações numa verdadeira estratégia de “guerra”, como revelado no áudio vazado de uma reunião entre o secretário do governo e dirigentes de ensino, o movimento só crescia. Na última semana, os estudantes secundaristas passaram a ganhar as ruas, realizando protestos em diferentes pontos da capital e em várias cidades do estado.

A resposta do governo foi uma dura repressão, com a Tropa de Choque agredindo, disparando bombas e detendo estudantes que muitas vezes eram crianças e adolescentes. Os pequenos protestos dispersos, porém, foram crescendo. Na sexta, a Polícia Militar transformou o centro da capital numa verdadeira praça de guerra.

O anúncio da suspensão do projeto é uma vitória dos estudantes paulistas, que deram um belo exemplo de luta e organização. As escolas ocupadas passaram a ser geridas pelos próprios estudantes, que decidem tudo democraticamente em assembléias. As antigas escolas precarizadas do governo estadual, sob o comando dos estudantes, passaram a ser ricos espaços de discussões, arte e reflexão.

Manter as ocupações
Apesar de Alckmin ter anunciado que vai suspender a reorganização até o ano que vem, não há nenhuma garantia de que isso de fato ocorra, como a revogação do decreto publicado essa semana. A entrevista concedida por Alckmin deixa claro que o governo não desistiu de seu plano de fechar escolas como parte de seu ajuste fiscal na Educação, o mesmo que o governo Dilma vem aplicando no Governo Federal.

É fundamental manter as ocupações das escolas e as mobilizações, assim como todo o apoio e solidariedade aos estudantes secundaristas até que o projeto seja de fato revogado. Enquanto fechávamos esse texto, ocorria uma reunião do Comando das Escolas Ocupadas, que decidiria os rumos do movimento.

LEIA MAIS
Ocupações feitas por estudantes em escolas de SP mostram resistência heróica