Dia 30: Batalhões pesados dos trabalhadores pararam no Brasil, apesar da operação desmonte das cúpulas das maiores centrais

1751
Paralisação de metalúrgicos em São José dos Campos (SP). Foto Sindmetal

No dia 30 de junho, os batalhões pesados da classe operária e trabalhadora brasileira paralisaram e fizeram mobilização de norte a sul do país, apesar do desmonte operado pelas cúpulas das maiores centrais.

No dia 29, véspera da Greve Geral de 30 de junho, as cúpulas da UGT, Força Sindical e CUT (e em menor medida também CTB) puxaram forte o tapete da greve. Já tinham tentado desmontá-la nos dias 21 e 23, mas não conseguiram pela reação da base, crise nas suas próprias fileiras e pressão da CSP-Conlutas.

Nos dias 29 e 30, foram além do corpo mole e inação, não titubearam, e saíram desmontando a greve com declarações pela imprensa -como fez a Força e UGT – ou simplesmente desmarcando ações, mesmo que em alguns lugares isso tenha custado um importante desgaste. Nos metalúrgicos do ABC, o sindicato da CUT chamou Greve Geral até dois dias antes, mas na hora H comprou o desgaste na base e convocou apenas um ato.

A puxada no freio da greve se deu logo depois da aprovação da reforma trabalhista na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado; e simultaneamente  à negativa por parte do STF  ao pedido de prisão de Aécio Neves do PSDB, feito por Janot, e a revogação de seu afastamento do Senado; bem como a liberação da prisão de Rocha Loures (PMDB), o homem da mala de 500 mil e amigo do Temer.  No próprio dia 30, para espanto de alguns, Lula fez declaração à imprensa apoiando Temer contra Janot “Se o procurador-geral da República tem denúncia contra o presidente, tem que provar.”, como se a conversa gravada com Joesley e o amigo pego no flagra com uma maleta com 500 mil não fossem nada. Depois ainda emendou “se o Procurador Geral não estiver falando a verdade tem que passar por punição”.  Se ainda ficasse alguma dúvida de que corre um acordão entre PT-PMDB-PSDB e outros mais (incluindo o STF), esta cai por terra com a notícia de que, articulados por Lula, os advogados do PT, PSDB e PMDB (de Temer, Dilma, Lula e Aécio) tenham montado uma ação comum contra a Lava Jato.

Então, as cúpulas maiores centrais (UGT, Força e CUT) e os partidos PT, PSDB,PMDB, PT, DEM,PCdoB e Solidariedade (do Paulinho da Força) estão juntos num duplo acordão: na operação salva corruptos (incluindo o Temer, o homem da mala e todo mundo) e na negociação da reforma trabalhista, onde topam entregar o pescoço da classe trabalhadora em troca de manter a indecência do imposto sindical.

Forte dia de paralisações e manifestações em todo o país, e Greve Geral em alguns estados
Depois de puxarem o tapete da greve, especialmente na Grande São Paulo, a imprensa, a patronal e a cúpula das centrais tentam diminuir o que efetivamente existiu de paralisação dia 30 no país e, ainda, tentam culpar a base onde eles ou não convocaram ou diretamente desmontaram a greve.

Mas, fizeram greve batalhões pesados da classe operária e trabalhadora brasileira e teve mobilização de norte a sul do país.

Em várias cidades e estados existiu praticamente uma greve geral. Paralisaram nacionalmente petroleiros, eletricitários, correios, bancários, servidores federais e professores. Paralisaram em pólos expressivos grandes fábricas metalúrgicas, químicas, têxteis, de alimentação e cimenteiras. Em São José dos Campos pararam 24 horas metalúrgicos, químicos, alimentação, além de transporte, bancários etc. Também em Sorocaba (SP), pararam metalúrgicos e químicos. Ainda em São Paulo pararam os estivadores na Baixada Santista. Parou forte os metalúrgicos no Paraná e no interior de Minas Gerais, a indústria da carne em Belo Horizonte, a Alpargatas na Paraíba, a Guararapes no Rio Grande do Norte. Parou também em peso a construção civil em Belém e Fortaleza. Rodoviários em diversas cidades, inclusive em Recife, onde parte da direção do sindicato chamou a trabalhar, os piquetes pararam os rodoviários porque a base queria parar. Pararam também os metroviários em muitas cidades, como em Porto Alegre e Belo Horizonte. Em Belém do Pará, Fortaleza e Sergipe teve praticamente Greve Geral.

Aracaju (SE)

A verdade é que dia 30 poderia ter sido superior ao 28 de abril, se dependesse da disposição de luta da base.

Aqueles que estão negociando com o governo por debaixo dos panos e priorizando campanha eleitoral travestida de “Frente Ampla por Diretas”, depois de tudo, tentam diminuir a luta que existiu e colocar na base a culpa por não haver uma mobilização ainda maior. Para fazer uma Greve Geral passando por cima da maioria das direções é preciso ter mais do que disposição de luta, é preciso entrar em um patamar ainda superior de mobilização e organização. Que a classe tenha feito esse forte dia de paralisações com manifestações enfrentando o desmonte da maioria das cúpulas das centrais, demonstra que a classe tem disposição de luta, não está derrotada e tem capacidade de avançar ainda muito mais em ação, organização e consciência.

Esse balanço é muito importante de ser feito, porque é preciso tirar lições. É preciso avançar efetivamente na organização pela base e acumular forças para passar por cima de direções que não cumprem com o seu dever. A classe operária, os trabalhadores e também os movimentos populares e da juventude vêm avançando e aprendendo em cada nova jornada de luta. Nesta, fizeram mais uma experiência.